2nd South
Este fórum contém material para adultos,
destinado a indivíduos maiores de 18 anos.

Se você não atingiu ainda 18 anos,
se este tipo de material ofende você,
ou se você está acessando a internet de algum país
ou local onde este tipo de material é proibido por
lei, NÃO PROSSIGA!!!

Os autores e patrocinadores deste fórum não se
responsabilizam pelas conseqüências da decisão do
visitante de ultrapassar este ponto.

EnDiamond VS Thε Mαdnεss Ω Λlιсє

Página 2 de 2 Anterior  1, 2

Ir em baixo

Re: EnDiamond VS Thε Mαdnεss Ω Λlιсє

Mensagem  Thε Mαdnεss Ω Λlιсє em Dom Jun 10, 2018 10:35 pm






hys · te · ria: 1. Uma psiconeurose marcada por excitabilidade emocional e perturbações das funções psíquicas, sensoriais, vasomotores e viscerais.

2. Uma situação em que muitas pessoas se comportam ou reagem de forma extrema ou descontrolada por causa do medo, raiva, etc.

Obs: O País das Maravilhas decidiu uma mudança na formatação do HTML de Alice, representando sua forma mais perversa

ㅤㅤEu sabia que tudo viria buraco abaixo quando ele se defendeu. Ele me encurralou, mas eu o venci naquele determinado momento. Se ele tinha algum código de conduta que o impedisse de passar da linha, ele o quebrou ao tentar me matar. Não ligo para essas coisas, mas sei que diferente de mim, não são todos que optam pelo desejo de cortar o mal pela raiz.

ㅤㅤMinha tentativa de encurralar Endeavour foi frustrada por uma espécie de placas de diamante, garantindo que este saísse ileso das explosões de minhas granadas e principalmente os raios mortais disparados pelo Cajado do Olho de Jaberuco. Não sendo o suficiente, as placas foram transformadas numa espécie de pó branco que revelou meus passos e entregou minha localização para ele. Maldito seja! Tentei ser rápida e imobilizá-lo, mas fracassei. Arregalei os olhos quando sentir aquela mão firme me segurando pelo pulso e trocando a trajetória da minha faca.

ㅤㅤOlho no olho. Ele estava sério. Diferente. Não parecia ser mais o mesmo homem de antes. Então, num piscar de olhos, senti a ponta gelada da Cimitarra dele cutucando minhas costas. Eu senti pela primeira vez um frio aterrorizante passando pelo meu corpo, com o inimigo reaparecendo atrás de mim, tão rápido quanto um lance de vista. A lâmina atravessou o meu corpo.

ㅤㅤ── “Foi por pouco, fedelha.” ── A voz da minha cabeça ecoava insistentemente.

ㅤㅤ── “O que é isso?” ── Eu senti uma vibração diferente. Era como um fogo azul queimando por toda a minha volta.

ㅤㅤ── “Você não tem serventia nenhuma para mim morta. Logo, eu preciso que você acabe de uma vez por todas com esse mago!” ── A rainha vermelha apontou seu cetro de coração de espinhos para mim. Sua voz soou com um tom de autoridade, como uma ordem.

ㅤㅤEu fechei meus olhos.

ㅤㅤ── “Por que teme tanto este homem? O que de mal ele pode fazer para você?” ── Lancei minhas dúvidas para ela. Eu exigia uma resposta direta dela.

ㅤㅤ── “O País das Maravilhas é uma corrupção de Naipes. Uma pequena parcela do que sobreviveu e que se tornou o seu... o meu.... o nosso mundo!” ── Ela pendeu a cabeça para um lado enquanto olhava para o teto de seu salão grotesco.

ㅤㅤ── “Eu pensei que fosse um mundo criado pela minha mente...” ── Estou confusa.

ㅤㅤ── “E é. Sua mente salvou um resquício de vida que este mundo ainda tinha quando começou a fantasiar-se com criaturas patéticas de contos infanto-juvenil. Seu desejo de fugir da realidade e moldar um mundo perfeito, sem preocupações, trouxe um pouco de esperança para estas terras desoladas. E eu sou uma parte ruim, aquilo que sobreviveu dessa corrupção e que tenta controlar nossas vidas com força. Eu já disse... eu tentei e você ainda deixou que outros tivessem sucesso no meu papel!” ── Os olhos dela brilhavam em um tom avermelhado como o mais belo rubi vermelho lapidado. Mas eles não transpassavam uma sensação de segurança. Posso sentir a raiva queimando no brilho daquele olhar, uma inquietante fúria querendo possuir aquilo que ainda resta de bom em mim.

ㅤㅤ── “Você o quer morto para impedir que ele restaure o mundo que antes pertenceu a ele?” ── Eu me ergui, com um olhar de determinação.

ㅤㅤ── “Sim. Este é o meu reino!  E não permitirei que mais lixo humano estrague o que é MEU POR DIREITO!” ── Então ela finalmente deu as caras.

ㅤㅤEu sabia que ela não era confiável. E também sabia que não havia mais uma forma de sair daquela luta sem causar mais destruição e talvez algumas mortes desnecessárias. Eu respirei fundo. E isso foi o começo da minha ruína.

ㅤㅤChamas azuis! Era isso que parecia quando a lâmina de Keepler atravessou o meu corpo. Senti um calor estranho me contornando toda, uma vibração estranha onde meu corpo ficou momentaneamente intangível. Olho para os meus braços e para o restante do meu corpo, sem acreditar que as ele era um mosaico de borboletas que vibravam e me protegiam de um golpe fatal pelas costas. Ele deve ter percebido isso. Então, eu me virei para ele rapidamente e repeli os golpes que ele tentou me dar. Mas eu recuei para trás. Como eu havia dito, eu respirei fundo quando descobri a verdade. E ali... foi o começo da minha ruina.

ㅤㅤ── O que... é isso?

ㅤㅤMeu nariz coçava. A vontade que eu tinha era de espirrar, mas eu não conseguia fazê-lo. Senti várias pontadas de dor dentro de mim, como se milhares de agulhas estivesse entrado dentro dos meu pulmões e começarem a me mutilar de dentro para fora. Eu caí ao chão. A chama azul que me protegia desapareceu, meu corpo voltou ao seu estado normal. Mas eu não conseguia respirar. Eu me sentia esfaqueada milhões de vezes por dentro e ao mesmo tempo asfixiada.

ㅤㅤ── Gah... aaakkkk.... oookgh...

ㅤㅤSangue. Sangue escorrendo do meu nariz. Sangue cuspido pela minha boca. Eu estava em choque. Meus poderes entraram em choque. Eu não ouvi nada do que ele disse. Meu desespero falou tão alto que eu comecei a perder lentamente a razão, o controle de minhas emoções.

ㅤㅤ“Viu só, Alice. Isso é o que acontece quando você não dá ouvidos para a sua rainha?”

ㅤㅤ“Você deveria ter usado os meus poderes desde o começo. Seria imbatível!”

ㅤㅤ“Mas quis se divertir. Quis estudar o inimigo que lhe parecia alguém digno para ver a totalidade de seus poderes, suas artimanhas, suas ideias mirabolantes.”

ㅤㅤ“Olhe para você mesma agora.”

ㅤㅤ“Prestes a morrer, intoxicada por uma neblina de milhões de diamantes.”


ㅤㅤNão!

ㅤㅤAlgo inesperado aconteceu. Um sopro, como um sussurro pesado e distante, como a mais perversa melodia.

ㅤㅤ“Não vá!”

ㅤㅤImediatamente levei as mãos ouvidos, arregalando os olhos e baixando a cabeça. Estava tão ocupada em manter-me sã diante essa situação que não percebi que estava começando a delirar. Havia uma forma de sair dessa e era somente através da dor e do desespero que encontrarei uma maneira de superar essa situação e virar o jogo ao meu favor. Eu não gosto. Foi essa forma que deu problemas para o meu pai por ela simplesmente ser imbatível. Chorei. Lágrimas verteram de meus olhos esverdeados enquanto baixinho eu murmurava aquilo que havia prometido para o meu pai: “Me perdoe. Eu não consegui.” E então tudo ao meu redor ficou tomado por uma branquidão assustadora.

ㅤㅤKeepler me veria levantando. A imagem que ele teve oportunidade de ver, de mim mesma pelo espelho mais cedo acabou se concretizando. Não só isso como também uma hedionda explosão de energia que acabou destruindo todos os cristais dele e ao mesmo tempo com uma força tão violenta e agressiva que empurraria ele e qualquer outra coisa que estivesse ao meu redor.

ㅤㅤUm grito ensurdecedor saiu de minha garganta no momento que estiquei meus braços e joguei a cabeça para trás. Eu assumi a forma de combate mais assustadora e poderosa que possuo sempre quando estou próxima do meu fim, perto da morte. Essa é a Alice Hysteria (nível 3).

ㅤㅤSemelhante a raiva, a Hysteria é uma forma temporária de destruição, mas só posso entrar nessa forma em minha última fração de saúde. Nessa forma, meu País das Maravilhas seria visto em cinza-ardósia e eu aparecerei diante dele toda branca. Não mais com o vestido de realeza e seus detalhes tão vistosos com os símbolos de Copas e Ouros. Os globos oculares simplesmente desapareçam e deles escorriam lágrimas de sangue, juntamente de meu nariz e boca. Minhas mãos também estão ensanguentadas, assim como o avental que uso por cima do meu vestidinho, totalmente manchado de vermelho. Meus cabelos é a única coisa que não ficou branca. E eles se esvoaçaram para todos os lados, assemelhando-se aos movimentos dos cabelos de uma Medusa. Uma esfera de energia cinzenta cobria todo o meu ser naquele momento e se expandia para todos os lados, consumindo todo o estacionamento em uma branquidão assustadora, engolindo todos ali dentro em uma dimensão paralela do mundo real e que aos poucos foi perdendo sua característica mundana e assumindo uma forma mais estranha, completamente bizarra e fora de cogitação, mas sem causar-lhes mal algum. Quando estou nesse estado não há controle algum dos meus poderes. No entanto, o que estava acontecendo em volta da arena era os meus poderes materiais e psicológicos atingindo proporções assustadoras!

ㅤㅤEstarei diante o Keepler em uma arena circular, onde uma gigantesca criatura nos assistia ao fundo enquanto segurava uma foice imensa em suas mãos. E acima de sua cabeça, um trono improvisado para o aconchego da dona daquele reino distorcido. A rainha vermelha apresentava-se para o outro como a dona desse mundo.

ㅤㅤ── Bem-vindo a Arena, Keepler, último de Naipes! Aprecie a magnitude do meu reino vermelho enquanto assisto sua vida patética sendo tirada das mãos da mais perversa e indestrutível Alice!

ㅤㅤEla riu, revelando mais uma vez toda a sua arcada dentária pontuda. E depois, mirou seu olhar assustador para o que eu havia me tornado, apontando o seu cetro para mim.

ㅤㅤ── Observe bem! Nada é capaz de parar a Alice nessa forma. Sua força sobre-humana deixou até mesmo o pai dela em maus lençóis! Sua capacidade de não sentir dores, tão pouco se ferir nessa forma, mostra como a imortalidade pode ser bela, mesmo que temporária. Mas não se acanhe, meu bom rapaz... ela só ficou assim por sua causa! A sede de matança dela elevou-se ao ponto onde tudo o que ela mais quer é matar, matar e matar, até sua sede ser completamente saciada! Não fiquei triste! Ela pelo menos teve um pingo de decência antes de transportá-lo para este lado da realidade! Ela poupou que todas aquelas parasitas curiosas ficassem no caminho da luta de vocês, garantindo-lhes mais uma chance de fugir e viverem suas vidas medíocres! Agora andem! Entretenham a sua rainha! LUTEM! ── O berro da rainha pode ser ouvido por todo o seu reino.

ㅤㅤOs soldados cartas que estavam mortos começaram a se levantar, entre gemidos de dores e urros ferozes, com seus rostos cadavéricos, famintos por carne humana. Mortos-vivos do reino de Copas, antigos habitantes de um reino que antes fora belo, vermelho, branco e preto. Hoje é apenas vermelho... vermelho de sangue.

ㅤㅤEu dei um passo à frente. Todos os mortos se afastaram e me deixaram passar. Eu posso ver. Eu posso sentir, mas não tenho controle. A única chance dele sobreviver a isso é me contendo até o tempo da transformação acabar. Só há uma maneira dele tornar isso possível: “NÃO ME DEIXANDO CHEGAR PERTO, DE JEITO NENHUM!”


ㅤㅤ── Grrr.... KYAAAAAAAAAAAAAAAAAHHH! ── Minha garganta até doeu com esse berro. E várias Lâminas começavam a voar em torno de mim. Apenas uma delas é a verdadeira e as outras eram falsas. E enquanto eu dou um passo para frente, elas me acompanham juntamente, girando atrás de minhas costas e acima de minha cabeça. E uma a uma começou a ser disparada na direção dele, meio que como um comando mental. Novamente, o Vorpal Blow.

ㅤㅤ── GRRRR!!! ── Quando a última faca foi lançada, eu segui correndo como uma descontrolada para cima de Endeavour, aumentando a velocidade a cada passo dado. A Vorpal Cleaver, o meu cutelo de açougueiro surgiria em minha mão. Ela ficava ainda mais poderosa e devastadora na forma de Hysteria, era como se fosse a arma principal desse modo de combate descontrolado. Eu aproveitaria esta aproximação enquanto o homem estivesse lindando com as facas, tentando descobrir qual delas era a falsa e qual era a verdadeira. Aqui não há com o que se importar. Tudo o que ele jogar contra mim, o máximo que causaria era me atordoar e me empurrar para trás.

ㅤㅤComecei com o Vorpal to Hobby to Vorpal. Uma sequência de ataques onde eu altero o uso de minhas armas uma atrás da outra. Começando com um corte na horizontal com a faca para trocar para o Hobby Horse, o cavalinho de pau que me servia de marreta. Mas dessa vez, o Hobby Horse estava diferente. Ele era agora o Hobby Knightmare, um cavalinho de pau moldado por ossos e com uma cabeça de alce com chifres pontudos e olhos brilhantes. Sua força era ainda mais devastadora que o normal, e virei a golpear ele com força ao chão após a facada. A marreta tem a propriedade de quebrar qualquer guarda do inimigo quando muito próximo e seu tremor ao colidir ao chão pode desestabilizar a defesa baixa. E por último o golpe de faca com salto a frente em um giro de 360 graus, com força para amputar qualquer parte do corpo de inimigos desavisados ou despreparados.

ㅤㅤE por último, uma troca de armas. O Ice Wand voltaria para as minhas mãos, não mais para criar outra barreira de gelo, mas para transformar todo o piso da arena que nos encontramos em um verdadeiro campo de patinação de gelo, com a diferença de que serei a única a não ser afetada por isso. Tornando o chão mais escorregadio, minha forma descontrolada estaria facilitando a captura de sua presa. E o que ela mais queria era arrancar as tripas dele com as próprias mãos.


_________________
ALICE MADNESS MOVELIST
avatar
Thε Mαdnεss Ω Λlιсє
Visitante
Visitante

Aniversário : 13/07/2002
Lugar de Origem : Inglaterra, Oxford
Mensagens : 31
Data de inscrição : 30/11/2017

https://myalbum.com/album/pJJ1Zp0qAul8

Voltar ao Topo Ir em baixo

Round V - Movimento I

Mensagem  【D.K】 Kєєρlєя Eиdєαvσυr em Ter Jun 12, 2018 12:45 pm



Fantasmas e Monstros




Instantes antes da transformação de Alice

Aquele calor diferente tão perto do rosto o alarmou assim que as chamas azuladas se apresentaram no corpo da oponente quando tentou transpassá-la com a cimitarra, saltou para trás num instante, a fim de se proteger-se de um contra ataque antes de voltar à investida, dessa vez de maneira fingida, para fazê-la se afundar mais na armadilha do pó de diamante.

(...)

A olhava ir ao chão, praticamente se afogando no próprio sangue. Foi uma investida cruel? Não, era uma luta, isso significava que ambos lados tinham consciência do que poderia acontecer, ela não era uma criança aos olhos dele, era uma lutadora. Alice não empunhava uma faca como uma criança, não olhava como uma criança, tampouco falava como uma criança; tinha apenas a característica física de uma. De fato, era uma assassina: não num sentido pejorativo, mas a garota sabia o que fazer para matar, isso estava tão claro quanto a lua no céu naquela noite.

Keepler manteve-se de prontidão, embora sua postura parecesse mais “relaxada”. Acabariam ali, talvez. Aguardava ela responder a pergunta sobre quem queria a cabeça dele, foi quando percebeu que a oponente chorava em o que parecia uma cena de frustração e desespero. Baixou a guarda, dando um passo para perto dela, oferecendo a mão para que a mesma segurasse. Podia curá-la num instante daqueles machucados internos, bastava… Não pode concluir a ação, sequer o pensamento porque foi arremessado para trás igual a uma bala de canhão, voando alguns metros de distância dela, batendo as costas e a cabeça no chão e rolando para trás. O que diabos havia acontecido? O crânio doía pelo impacto com o asfalto, assim como adquiriu uma dor incômoda nas costas, nada suficiente para impedí-lo de levantar e olhar o que tinha acontecido. O mundo em volta foi afetado e distorcido, tomado pela loucura e descontrole da garota, onde se revelou uma nova dimensão.  

Parecia uma Banshe, tanto pelo grito quanto pela fisionomia. Esse foi o primeiro pensamento que o rapaz teve ao olhar a adversária naquele estado. Ele próprio estava com os olhos arregalados e com um temor escancarado na face o qual fora impossível de esconder, sentia uma aversão ao ver aquele sangue escorrer das caixas oculares tomadas por um vazio não-humano. Era como olhar o abismo e ser encarado de volta, revirando o eu de Keepler por dentro e, sem perceber, o fazia dar um ou dois passos para trás. O toque grotesco que ela carregava em sua aparência agora, o afetava de um jeito que ameaçava seu equilíbrio emocional, o fazendo entrar em um combate mental agonizante, mas não bastava só isso.

Uma mulher de boca com requintes monstruosos se apresentava com arrogância e crueldade na voz, ele não podia reconhecê-la fisicamente, visto que a Rainha de Scarletheart sempre fora um mistério oculto em Naipes em sua época, era o único cargo, dentre as outras famílias vago. E ninguém sabia porque e as Relíquias-Deuses nunca falaram sobre. Todavia, ele olhou os adereços e tudo o que pôde fazer foi uma suposição rústica de quem ela seria, e isso apenas o aterrorizava ainda mais. Sim, Endeavour tremia, sem saber explicar o porquê direito, alternando entre a visão distorcida da adversária e da Rainha.

Essa nova pessoa disse muito sobre o novo estado da garota: Atributos Sobre-humanos, Inalvejável; Incapaz de sentir dor e se ferir… Mas principalmente Imortalidade temporária Isso significava que tentar atacar a garota naquele momento, para machucar, não só era um esforço em vão, como também era pôr-se em uma situação extremamente arriscada. Usou uma quantidade relativamente alta de cartas em um curto espaço de tempo, cerca de quase ¼ de todo o deck, e isso mostrou-se no suor que escorria pelos cabelos e ensopava parte da camisa, e um arfavar indiscreto; embora ainda tivesse vigor e ritmo para prosseguir.

Momento I - Ação 1

Alice iria buscar sangue a qualquer custo, fugir só faria ele se cansar. Manter-se firme era o importante. Tinha uma coisa que podia ser feita, já estava preparando para organizar a ofensiva, pegando a carta Ás of Spades (S.T - Lv.03: Dominação), quando vislumbrou os Soldados Mortos-Vivos se levantando entre gemidos e movimentos retorcidos, em sua aparência pútrida. Naquele instante, Keepler entrou em um estado de choque, o qual até as cartas dele paralizaram no ar e começaram a vibrar de maneira desordenada por alguns instantes. Com os olhos arregalados, o mesmo levou a mão à boca, vomitando por entre os dedos uma gosma transparente, enquanto um peso repentino lhe tomava o corpo, sua mente era arrancada para outro lugar remoto. Naquele instante, ele estava desconectado do plano real.¹




Nightmare

Era uma grande clareira na floresta numa noite chuvosa e com muita ventania, a sensação de fraqueza também era intensa e varias pontadas pelo tronco e membros. Tres flechas perfuravam uma armadura de prata utilizada por ela ao lado direito do tórax, uma no braço esquerdo preso no chão e outras duas setas na perna direita, o sangue se misturando a poça de lama e a água, a visão em volta era de cavaleiros e cavalos abatidos e mortos pelo chão, uns sessenta e poucos deles no total, um acampamento destruído como se houvesse um ataque surpresa. A terra revirada como se uma manada de búfalos tivesse passado por cima de pessoas amarradas no chão, fazendo orgãos, músculos e ossos serem revirados junto com a terra e a água A pior sensação era de desolação, porque ele cada uma das pessoas mortas ali, uma em principal por ser o melhor amigo estava a poucos metros, esmigalhado no chão como um inseto e uma posição retorcida que contradiz a anatomia humana, não havia como algo vivo alcançar tal articulação sem agonizar de dor. Mas ele estava morto. Do lado do corpo, um elmo com uma crina de penas vermelhas estava caído ao lado, amassado. O único sobrevivente tremia de frio e de fraqueza, vislumbrando aquele cenário macabro.

(...)


Olhava quase com metade da visão debilitada o caminho à frente, havia uma sombra em volta da vista, sinalizando que poderia perder a consciência. Deveria estar nos arredores do palácio dos Diamond. Ferido e mais fraco e dolorido, tinha ao menos noção de que havia mancado por vários quilômetros ate chegar ali. Sua respiração se resumia a inalar desespero e apreensão, Olhava para seu próprio lar, sua casa e o coração quase levou-o a um infarto, o fazendo se livrar do que podia da armadura enquanto avançava entre escorregos e tropeços.

Com esforço passou por um portão semi-aberto e se deparou com um pátio cheio de pessoas esquartejadas com expressões de horror, haviam sido torturadas, com o maior requinte de crueldade possível. Não sabia quando pisava em vísceras ou em terra e a chuva só piorava a cena, com relâmpagos insistentes. O mestre de Keepler estava ali no meio, caído em uma escadaria com várias lanças transpassadas no peito e metade da cabeça esmagada por uma marreta de guerra.

O rapaz não aguentou e caiu ajoelhado, vomitando perante aquele cheiro férrico e toda aquele rio rubro em sua volta, ofegante e arrasado, em lágrimas que queimavam-lhe os olhos, enquanto a sanidade de Endeavour era destroçada. O rei o qual ele servia não estava no pátio, nem a rainha... Se com os soldados que não eram muito conhecidos sofreram tal atrocidade, o que teriam passado aqueles que eram o símbolo máximo da família?

(...)


Adentrou pelo palácio, passando pelo corpo de servos e outros soldados da guarda real, o salão estava em ruínas como se uma luta de demônios estivesse ocorrido ali dentro: Crateras no chão repintado de escarlate, as pilastras romanas desgastadas, assim como os afrescos na abóboda do salão, com um imenso buraco nessa  estrutura, deixando a luz da lua e a chuva entrarem para limpar a última cena da carnificina, o fim dos Diamonds.

Numa das janelas do lado direito estava a Queen, segurando duas espadas e usando um vestido dourado de saia longa, aqueles vestidos típicos de uma realeza, totalmente inadequado para luta, provavelmente estava jantando e foi abordada, mesmo assim haviam dezenas de corpos cortados a sua volta e nenhum havia se aproximado de um raio de 50cm dela, mas a morte sido inevitável.
O saiote do vestido estava rasgado como quem tinha sido violentada, mas não quando viva e sim quando morta, porque a perna direita havia sido arrancada e jazia a poucos metros do corpo. A rainha nunca deixaria ninguém tocá-la, atearia fogo no próprio corpo com magia antes de tal atrocidade, só alguem poderoso conseguiria abatê-la a distancia. O busto estava com um imenso corte, deixando a nudez maculada e depreciada por ferimentos exposta, os olhos vidrados no teto com uma expressão de desespero e a boca aberta repleta de algo branco, provavelmente dos soldados invasores que sobreviveram e zombaram dos mortos como animais, haviam cortado a pele dela escrevendo “Puta” em sua testa como divertimento.

O ultimo havia sido Ages, entre as duas cadeiras que representavam o King e a Queen ele estava empalado sem os braços e pernas e com a coroa enfiada na barriga como se fosse posta a marretadas, e em volta vários espetos de ferro transpassados aleatoriamente pelo corpo e um nos olhos. Keepler não tinha mais vigor nem nada do tipo, os líderes dos Diamonds eram como os seus segundos pais, e não havia nada mais angustiante que vê-los daquela forma.

Algo saiu do corpo do garoto, provavelmente parte do seu espírito tinha sido pulverizado. End podia sentir, algo gelado sendo derramado em sua cabeça e substituindo o sangue nas veias dele (metaforicamente falando) por algo diferente. Os tremores pelo corpo eram substituídos por uma rigidez intensa assim como a respiração mudava de descontrolada para uma bem compassada, ele rangia os dentes e cerrava os punhos, as Iris pareciam gelo assim como toda a mente dele e um imenso buraco no coração e no estômago dele foram criados por dentro. E ele apagou, caindo no chão, sobrecarregado.

Enquanto inconsciente, um sentimento havia surgido em si, para devorar tudo em volta, seu sofrimento chegou no estágio máximo, mas não foi capaz de afogá-lo até a morte. Ele se alimentou daquilo, transformando no mais puro sentimento de vingança, talvez o mais poderoso ódio já existente, no qual deixava claro que ele atropelaria até os Deuses para concluir o objetivo.



... No presente.

Para as duas mulheres ali, pareciam segundos, mas para Endeavour, parecia horas perdido dentro da própria mente, revivendo e relembrando o pesadelo do dia em que os Diamond foram, de maneira covarde, atacados. O rugido de Alice conseguiu trazer parte da consciência de Keepler de volta, mas ele não conseguia olhar para a menina, tampouco para a rainha, seus olhos eram roubados sempre para as figuras em carniça no entorno deles, fazendo a concentração do mago ficar totalmente incerta. Apenas um palpite era sussurrado em sua cabeça, sobre a adversária estar fora de si, nada mais.


Momento II - Ação 2 & 3


Não foi o mago a reagir à investida das facas, as próprias cartas dele se organizaram de maneira defensiva graças à I.A, voando contra cada faca que fora lançada, mesmo que falsas e  transpassando elas como se fossem hologramas, a fim de garantir a segurança de seu usuário até que a verdadeira lâmina fosse realmente redirecionada para longe dele. Todavia, não seriam suficientes para o que viria a seguir.

Alice avançou, tomada de loucura e sede de sangue, e o rapaz ainda estava atônito. Ela estava bem mais rápida, mais que a própria carta Jack of Diamond, quando o mesmo se deu conta, um corte horizontal havia sido feito na barriga, fazendo o sangue sair imediatamente e sujar suas roupas de rubro.


Momento III - Ação 4, 5 & 6


A dor o puxou com mais vontade para realidade, e o mesmo voltava aos trancos à sua concentração normal. Vê-la trocando de faca para marreta, imaginou que ela iria golpeá-o en cheio. Qual seria o estrago capaz dela fazer com uma superforça? Se o ataque vai contra o solo, vá em oposição ao solo, era uma premissa. Quando em luta corpo a corpo, ao receber uma rasteira, um golpe na região inferior, tenta-se evitar os danos nas pernas ou algo que desestabilize o equilíbrio. A reação de Keepler foi dar um salto para trás, fora do alcance da marreta por poucos centímetros, dobrando as pernas no ar, enquanto ouvia o estrondo do impacto, aquilo provavelmente poderia ter esmagado seus ossos ou feito o mesmo dar passos em falso no chão. Caiu de pé só alguns centímetros à mais de distancia de Alice, devidamente preparado para suportar a investida
Ainda empunhava a cimitarra na mão direita quando ela veio girando, conseguiu barrar essa investida, mantendo a postura com uma mão, enquanto a lâmina da Vorpal Blade atritava na espada como se fosse um disco de uma motoserra girando, saindo faísca pra todo lado e ecoando o som por toda a arena.

Keepler foi jogado para trás, e pela selvageria do ataque da menina  a cimitarra escapou de sua mão e rodopiou até cair fincada no chão poucos metros ao lado dele. O homem se manteve ajoelhado sobre uma perna, sentindo agora  o chão congelado, o melhor era não ficar de pé naquele instante,  assim ele conseguiria se manter equilibrado ali. O sangue que vertia do corte no abdômen demonstrava a gravidade da coisa, enquanto o rapaz ficava de cabeça baixa, ainda tremendo, com sangue saindo pela boca  e sujando a barba e gotejando no chão. Onde estava o guerreiro de antes? End ainda se impressionava com os mortos, por que a única coisa que vinha a sua mente: A imagem de sua família morta de maneira tão brutal. Olhar criaturas reanimadas daquela forma só faziam ele imaginar como seria ver seus queridos assim, ou o quanto de sofrimento era acometido à eles em serem profanados de tal maneira. Ver monstros nos corpos de pessoas amadas, isso o angustiava e o magoava, o fazia perder-se novamente naquele sofrimento de séculos atrás. A rainha deveria estar se engasgando de rir em vê-lo naquele estado, vitória certa não? O sorriso dela provavelmente iria diminuir ao notar que ele ainda se mexia.


Momento IV - Ação 6 & 7

A mão direita mexeu-se um pouco, fazendo uma das cartas vir para seus dedos e a tocando:Trevor Nº 10 (T.E). Ele a fez se dividir e cair próxima não de Alice, tampouco da Rainha, e sim dos soldados em volta, que foram consumidos por enormes argolas de fogo em uma temperatura tão grotesca que viraram cinzas instantaneamente. Da mesma maneira que o calor emitido serviu de contra-medida pro gelo no solo fazendo-o evaporar, fazendo o piso voltar a ser aderente. Um ato de misericórdia, para dar descanso aquelas criaturas, findar o sofrimento delas de algum jeito. O respeito honrado que mereciam. Poderia parecer um gesto de segurança própria, evitar ser atacado de surpresa, mas não foi por isso: Agora podia focar exclusivamente nas duas presentes.²

[Keepler] Então Alice adquire Imortalidade temporária, hm?... Lhe doeria saber que sou Imortal, permanentemente falando? Foram as Relíquias que me “amaldiçoaram” com isso. Sinto lhe informar, mas não terá como se livrar de mim da maneira que quer...

Logo ficou de pé, fraquejando um pouco pela dor que corroia-o por dentro e lhe tirava pouco a pouco a firmeza, encarando a oponente em meio a um respirar ofegante e aparência cansada. A carta Scarletheart Nº2 (T.E) virou uma espécie de fita adesiva assim que encostou no corte do abdômen, tapando-o inteiro para vetar o sangramento e começar a curá-lo. Não estava novinho em folha, mas o suficiente para retribuir aquele machucado devidamente ou manter-se ativo em combate. Uma gosma preta surgiu de algum canto da roupa do mago, envolvendo-lhe as vestimentas e as deixando completamente negras, tomando até as mãos dele. Usando a mente, chamou o baralho de volta para as mãos, fazendo elas também serem tomadas pela gosma negra que parecia uma pele viva sobre o corpo dele, se mexendo e tendo leves pontos mais elevados e  maleáveis que outros. De um lado, Alice tomada pelo branco e o outro, Keepler tomado pelo negro. Perfeitos opostos.

[Keepler] Você é uma rainha medrosa e covarde. Teme a Alice e a manda fazer o serviço que é incapaz de fazer, talvez saiba que ela é mais forte que si mesma. Me vê como uma ameaça também… O que acontece se eu  e ela nos virassemos contra você sozinha? - Disso com um olhar rancoroso para a Rainha Vermelha por alguns instantes - Vou garantir que seu pesadelo aconteça.

Momento V - Ação 8

End estendeu a mão para trazer a cimitarra de volta sua posse, e partiu para cima da oponente para trocarem golpes de lâminas. Enquanto as cartas, embebidas pela gosma, faziam um cerco no entorno dos dois. Se a jovem já havia entrado naquele estado antes, saberia que era invencível, nada era capaz de machucá-la fisicamente. Possivelmente ela não se importaria em receber certos ataques, não é? Bem, era uma teoria a qual ele colocaria à prova.

Keepler fazia pelo menos 4 cartas virem de direções opostas, a cada movimento deles em combate, para acertar o corpo de Alice enquanto trocavam golpes corpo a corpo. Ferir ela? Provavelmente não iria conseguir. Queria apenas que as gosmas postas nas cartas caissem sobre ela cada vez que as cartas acertarem-na em cheio. Pois a gosma viva iria procurar uma via para entrar em sua corrente sanguínea, sendo absorvida pela pele, entrando pelos ouvidos e narizes ou boca; Faria de tudo para tomar seu controle.³

Não apenas com a cimitarra, que também fora tomada pela meleca que vinha do corpo de End, mas ele alternava entre golpes de espada e socos e chutes. O importante não era machucar, era variar nesse avalanche de ataques simultâneos, conseguir tocá-la. Onde, a partir do quarto acerto, a mente de Alice, descontrolada até então, receberia sugestões cada vez mais fortes sobre voltar-se contra a rainha. No momento, esse era o objetivo do Mago.

Perder não era víavel… Tinha que retornar para alguém. Foi uma promessa… E os Diamonds sempre cumprem as que fazem.




CONSIDERAÇÕES

OBS¹: Apesar do personagem ter alternativas mais precisas para escapar da sequência de golpes dados ileso, eu considerei que ficaria incoerente com o trauma que ele passou: O massacre da família. Ver criaturas nesse estado (mortos-vivos desfigurados) o afligira diretamente, e foi o que tentei passar aqui no turno com uma movimentação mais simples e em decisões arriscadas para ele (Arriscado no sentido de estar perto de Alice naquele estado). Fiz por fidelidade ao personagem e na construção dele, algo que eu não podia deixar passar batido.

OBS²: Respeitando a coerência do char, eu precisava destruir aquilo que estava prejudicando-o para prosseguir com as ações. Foi um ataque apenas para justificar como ele conseguiria se concentrar normalmente após a investida. Por consequência, ajudou a descongelar a arena, mas não é algo que vá atingir Alice ou a Rainha.

OBS³: Habilidade dominação, o objetivo que vai ser sugerido para Alice, ao passo que ele for conseguindo acertar os golpes é para ela se virar contra a rainha, ou ainda recobrar o domínio sobre si própria. Ele está fazendo uma investida fulminante para  possa influenciá-la melhor, por isso tantos ataques básicos simultâneos.

1 - Foram executadas 3 Defesas normais, 1 Ataque Contextual, 1 Combo: Como - Uma sequência de pelo menos 6 ataques básicos seguidos (Golpes entre Socos, Chutes, Manejo da Cimitarra e Cartas); Ataque Contextual - Pulverizando os Soldados Mortos-Vivos para quebrar o estado de choque e Descongelando a arena;  Defesas: 1 - Contra as facas lançadas (Vorpal Blow), 2 - Evasão contra a marretada; 3 -  Defesa do corte de 360º da Alice.
 
2 - Momento I = Ação 1 (Ativação da carta Ás of Spades S.T - Lv.03 ); Momento II -  Ação 2 ( Defender o Vorpal Blow ),Ação 3 ( Receber o corte no Abdomen); Momento III -  Ação 4 (Evadir do golpe da Knightmare), Ação 5 (Defender o giro em 360º); Momento IV - Ação  (Atacar os Soldados e descongelar a arena com o Trevor Nº 10  ); Ação 6 ( Curar o abdomen com Scarletheart Nº 2), Ação 7 ( Embebedar as cartas e o corpo com a gosma do Ás of Spades S.T-Lv.03 ). Momento V - Ação 8 (Sequência de ataques contra Alice - Chutes, Socos, Golpes de Espada e Cartas  ).

3 - Toda a movimentação não ultrapassou mais de 15s, depois da fala da Rainha Vermelha .


RESUMO

Keepler foi pego de surpresa pela transformação repentina de Alice e em sua transformação, que chegou a mudar a realidade no entorno deles. Foi posto de frente para a Rainha vermelha e ouviu a falácia dela sobre os perigos de enfrentar a garota naquele instante, embora ele percebesse o quão assustadora ela estava. Estava preparado para o combate quando viu os Soldados Mortos afetou-lhe o psicológico e o fez reviver seu trauma do passado. Desligado temporariamente da realidade, quando se deu conta, havia sido ferido no abdômen pela oponente. Evadiu de seus ataques subsequentes por pouco até que conseguiu se re-estabilizar. Como golpe de compaixão, fez o soldados cartas zumbis percerem diante de um ataque de fogo. Tratou do ferimento com uma carta e depois, com a Ás of Spades (S.T - Lv.03: Dominação) deu início a sua investida, tentando afetá-la com a habilidade da carta para “tomar o controle” da mesma e direcionar sua fúria para a Rainha
avatar
【D.K】 Kєєρlєя Eиdєαvσυr
Visitante
Visitante

Aniversário : 15 de Novembro
Lugar de Origem : Naipes (Universo Fictício)
Mensagens : 9
Data de inscrição : 09/05/2018

https://postimg.cc/gallery/146ful15y/

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: EnDiamond VS Thε Mαdnεss Ω Λlιсє

Mensagem  Thε Mαdnεss Ω Λlιсє em Sab Jun 16, 2018 2:24 am







Alguns anos atrás.
Hospital Psiquiatrico Ruthleged

ㅤㅤ── Alice? A-lice? Não! Você não! Por favor! ── Uma menina tentava me acordar, mas sem sucesso.

ㅤㅤSeus olhos estavam contornados por olheiras profundas de noites mal dormidas e de tanto chorar as escondidas. E mais uma vez, ela chorava e sofria em silêncio. Às vezes a minha doença, quando atinge o seu estágio mais comum que é a trava, me deixa com sinais vitais mínimos e que pode causar a impressão de eu estar morta. Talvez ela não soubesse disso. Talvez, ela não tenha descoberto a tempo como fazia para checar o meu pulso.

ㅤㅤUma vida de maus tratos foi demais para Reddy Vogue. Culpada pela perda trágica da mãe, abusada e espancada pelo próprio pai até o dia que resolvera mata-lo com golpes de tesoura. Internada, considerada como uma louca, uma doente mental, taxada de assassina por ter matado seu pai que era um membro de grande importância para a sociedade, ignorando os maus tratos dela, ignorando a situação que ela se encontrava. Mais uma vítima como eu. Mais uma que os adultos preferiam ignorar e meter num hospital do que realmente procurar saber o que está acontecendo conosco. Podem me considerarem louca por fazer desenhos estranhos, conversar sozinha e contar histórias de um mundo ‘imaginário’ é uma coisa. Mas ela... o problema dela não era nada comparado ao meu. O estágio de depressão de Reddy estava tão profundo que ao me ver caída em seus braços, a única solução para livrar-se daquele tormento foi tirando sua própria vida.

ㅤㅤFoi uma faca sem ponta pega no refeitório que ela usou para se matar. Ela golpeou a própria barriga, várias e várias vezes, sem se importar com a dor. Sem se importar com mais nada. Seu corpo desabou sobre o meu e o seu sangue começou a manchar o meu vestido. O seu último suspiro veio em seguida.

ㅤㅤ── Eu estou indo, Alice... minha única amiga... eu estou indo... ── Reddy morreu.

ㅤㅤNão sei quanto tempo levou para eles nos encontrarem.

ㅤㅤEu lembro de ter aberto o olho quando ouvi vozes. A visão embaçada, o meu corpo sofrendo de espasmos. Só ouvi coisas desconexas: “Elas brigaram?”, “Uma tentou matar a outra?” “Foi suicídio?” “Essa aqui está viva.” “Me ajudem a coloca-la na cama” “Ela está em estágio catatônico. Não vai adiantar nada perguntar o que aconteceu.” Eu dormi depois.


O País das Maravilhas
As Terras da Rainha ── Arena do Ceifador

ㅤㅤ── Mais! QUERO VER MAIS SANGUE! HAHAHAHAHA! ── A voz da rainha ecoava por toda a arena. Os soldados cartas, agora um bando de zumbis ambulantes que andavam de um lado para o outro, alguns se arrastando, outros com um passo de cada vez aproximavam-se de Keepler que naquele momento era o único ser que lhes interessavam. Eles sentiam o cheiro do sangue dele pingando ao chão, tanto pelo corte que a minha lâmina abriu quanto o pelo ferimento ainda exposto dele.

ㅤㅤSeus gemidos e urros de dor soaram como uma sinfonia sem sincronia. Os passos deles aceleraram ao notarem que sua provável refeição estava logo ali. No entanto, alguma coisa os atingiu e seus corpos foram incinerados como se houvesse um portal de fogo abrindo-se abaixo de seus pés, queimando-os até que sua existência fosse transformada em cinzas e seus corpos reanimados destruídos de vez. O piso congelado foi revertido por essas chamas misteriosas que só poderiam terem vindo de uma única fonte de poder dele que é as benditas cartas. Quantas mais haviam no deck dele?

ㅤㅤOlhei para o homem. Não dei bola para os mortos morrendo. Na minha mão esquerda a Vorpal Cleaver. A minha mão destra moveu-se para o outro lado e puxou a faca que antes fora repelida pela defesa das cartas dele mais cedo. Armada com duas lâminas, eu fui adiante, em passos lentos, sem tirar os olhos do último de Naipes.

ㅤㅤ── Vamos Alice! Mate-o! ARRANQUE A CABEÇA DELE! ── Os berros da rainha tremiam os arredores da arena. Ela era a força suprema daquela parte do País das Maravilhas. Sua força era ainda maior dentro de seus domínios. Mas até que ponto ela poderia chegar?

ㅤㅤKeepler começou a falar. Sinto que ele não tira o olho de mim e nem da rainha. Será que ele era vesgo e conseguia manter a atenção tanto em quem só assistia quanto em quem lutava? Eu posso ver a mudança rápida nos olhos dele, uma hora para a rainha e outra para mim. Cada passo meu, lento, cauteloso, demonstrava o quanto minha forma descontrolada estava apreciando do momento. Embora eu possa ouví-lo, meu corpo age como se nada daquilo tivesse importância alguma. Eu só respondo com gemidos de dores, com um choro de tristeza representado pelas lágrimas de sangue que escorrem das profundas cavidades escuras existentes na minha face. A majestade do reino de copas arqueava uma de suas sobrancelhas ao ouvir ele dizer que era imortal em sua totalidade.

ㅤㅤ── Como? As Relíquias ousaram tornar um inútil como você imortal? Oras, isso torna as coisas ainda mais interessantes! ALICE! AMPUTE OS BRAÇOS DELE! ── Ela deu uma pausa para gargalhar mais uma vez e de uma forma ainda mais tenebrosa do que antes.

ㅤㅤ── Se você for mesmo um imortal, então eu farei você o meu brinquedo de linchamento POR TODA A ETERNIDADE! Vai ser excitante te espancar, te dar uma verdadeira terapia de dor e sofrimento, algo que fará você clamar cada vez mais pelo fim de sua vida, um desejo que você JAMAIS terá oportunidade de ser REALIZADO!

ㅤㅤEu dei mais alguns passos e parei. Olhei para a rainha. E então para o Keepler. Não houve mais ação alguma da minha parte.

ㅤㅤ── O que está fazendo? Ele está logo ali! ATAQUE-O! PROTEJA O NOSSO REINO! ── Ela insistiu. Sua voz tremia toda a arena.

ㅤㅤKeepler continuou seu papo com a rainha.

ㅤㅤ── HÁ! VOCÊ E ELA SE VOLTANDO CONTRA MIM? ABSURDO! Os dois não passam de FORMIGAS, INSETOS INSIGNIFICANTES! Meus tentáculos podem esmagar seus corpos frágeis até suas cabeças saltarem para fora como rolhas de uma garrafa de champanhe! Vocês não são NADA para uma RAINHA! NADA! ── Ela esmurrou o apoio de braço de seu trono e debaixo do vestido de realeza, vários tentáculos vermelhos emergiram, com seu comprimento se estendendo assustadoramente como se não houvesse um limite.

ㅤㅤEu olhei para a rainha.

ㅤㅤ── Uma multidão de seres humanos... ── Sussurrei.

ㅤㅤA rainha olhou para mim.

ㅤㅤ── O que é uma multidão para uma RAINHA? ── Ela me respondeu. Sabia que ela ia me ouvir.

ㅤㅤO sangue que tinge minhas mãos de vermelho não pertencem à mim. Essa é a marca de Reddy Vogue. Esse sangue no meu avental branco é dela. É a marca dela em mim.

ㅤㅤMais uma vez.

ㅤㅤ── O que é uma RAINHA para um DEUS? ── Eu virei para ela agora.

ㅤㅤEla se enfezou.

ㅤㅤ── E O QUE É UM DEUS PARA UMA DESCRENTE? ── A rainha levantou-se do seu trono.

ㅤㅤEu arregalei os olhos.


Hospital de Ruthledge
Anos atrás.

ㅤㅤ── DESGRAÇADOS! FILHOS DA PUTA! O QUE VOCÊS FIZERAM COM ELA? ── Eu estou amarrada em uma camisa de força. Eu me debatia com todas as minhas forças!

ㅤㅤ── Acalme-se Alice! Onde está o medicamento dela? ── O doutor precisava de mais alguns enfermeiros para me manter na cama enquanto preparavam a minha vacina.

ㅤㅤ── AFASTEM-SE DE MIM, SEUS PORCOS! EU VOU MATAR VOCÊS DOIS, TWEEDLE DEE E TWEEDLE DUM! ── Os dois enfermeiros não entendiam nada do que eu os chamava. Mas para mim, eles dois eram os irmãos Dee e Dum.

ㅤㅤ── Alice, contenha-se! ── O doutor tentou mais uma vez. Ele estava com uma seringa que lhe foi entregue por uma enfermeira.

ㅤㅤ── NÃO! AFASTE-SE COM ESSA DROGA DE MIM! CHEGA DE INJEÇÕES! NÃO VÃO INJETAR MAIS NADA EM MIM! SOCORRO! PAI! PAAAAAAAAI! PAPAAAAAAI!

ㅤㅤOs dois enfermeiros me soltaram. Eu consegui impulso para pular na cama e fica em pé nela, chutando a mão do doutor, derrubando a injeção.

ㅤㅤ── Por que a soltaram?

ㅤㅤ── Ela chamou o pai dela! ── Um dos enfermeiros protestaram.

ㅤㅤ── Eu quem não quero ver aquele cara puto com o que estamos fazendo com a filha dele! ── Completou o outro.

ㅤㅤEu sabia que eles tinham medo do meu pai. Ninguém era louco de encarar a fúria de Iori Yagami e hoje, eu vou fazer eles se arrependerem do que fizeram comigo.

ㅤㅤ── ME CONTEM O QUE VOCÊS FIZERAM COM ELA NAQUELE DIA! VOCÊS USARAM TERAPIA DE CHOQUE NELA, NÃO FOI? VOCÊS TORTURARAM ELA COM ELETROCHOQUE NÃO FOI? ── Eu comecei a chorar. E eles não me respondiam.

ㅤㅤSe não fosse por bem, ia ser por mal. Pulei em cima do doutor, derrubei ele no chão. Com a camisa de força, eu não consegui mover as minhas mãos. A enfermeira gritou. Os homens estavam amedrontados com o que viram. Eu cuspi a orelha do doutor, com a boca cheia de sangue!

ㅤㅤ── FALA! O QUE VOCÊ FEZ COM ELA SEU CANALHA?

ㅤㅤ── EU VIOLEI ELA!

ㅤㅤArregalei os olhos. A enfermeira atrás de mim tapou a boca, surpresa com a revelação. Os outros dois atrás de mim ficaram aterrorizados. Eu não consegui processar a informação e não pude prever uma cabeçada do médico, me derrubando ao chão. Mesmo com uma orelha a menos, o médico se levantou como se não fosse nada demais.

ㅤㅤ── Vocês dois, botem essa putinha em uma sala de segurança máxima e enfiem sedativo suficiente pra atordoar um hipopótamo nela. Se depender de mim, essa daí vai viver dopada aqui pro resto da vida dela! ── O olhar dele era de fúria.

ㅤㅤ── Você... Se não for eu, vai ser o meu pai... ele vai matar você... ELE VAI MATAR VOCÊ! VOCÊ! VOCÊ E VOCÊ TAMBÉM! EU VOU QUEIMAR ESSE HOSPITAL! EU VOU DERRUBAR ESSE LUGAR ATÉ O ÚLTIMO TIJOLO! VOCÊS VÃO PAGAR! VOCÊS VÃO ME PAGAR! ── Eu fui agarrada pelos dois homens e arrastada para fora, fui jogada dentro de um quarto branco para loucos, fechada. Eu fiquei batendo meu corpo contra a porta. ── EU VOU MATAR TODOS VOCÊS!

ㅤㅤCai de joelhos. Chorei. Eu não acredito no que ouvi. Eu não acredito que esses monstros abusaram da Reddy.

ㅤㅤ── Papai... Por favor... me tira daqui... ── Eu chorei, em prantos.

ㅤㅤEu me lembro que essa tortura não durou um dia direito. Meu pai exigiu me ver depois que a enfermeira que estava na sala ouviu a revelação do médico. Ele não teve dificuldade nenhuma de chegar até a mim. A porta que me prendia explodiu com uma labareda púrpura. Eu o vi andando entre a fumaça que vinha do lado de fora, me pegando em seus braços. Ele me carregou para fora. Eu respirei aliviada. Nós passamos por um corredor de vários enfermeiros e seguranças mortos. Principalmente eu vi o doutor que abusou da Reddy. O rosto dele estava incinerado.

ㅤㅤ── Me perdoe Alice. ── Ouvi do meu pai. ── Eu mesmo vou cuidar de você daqui pra frente.

ㅤㅤ── Tudo bem, papai...

ㅤㅤ── Vamos embora desse país. Voltar para o Japão. É melhor se acostumar... nós vamos passear bastante a partir de agora.

ㅤㅤ── Papai, quer dizer que eu não vou mais ficar sozinha?

ㅤㅤ── Não. Eu vou cuidar de você para sempre, minha querida.

ㅤㅤNós saímos do hospital. Eu ouvi sirenes de bombeiros chegando para apagar o incêndio. Eu não dei importância. Não olhei para trás naquele momento. Eu só fechei os olhos e fiquei em silêncio, até o papai me levar para onde ele estava ficando.


País das Maravilhas
As Terras da Rainha ── Arena do Ceifador

ㅤㅤ── Você lembrou, Alice... ── A rainha sentou-se, mais calma agora.

ㅤㅤ── Reddy... ── Eu não consegui conter a minha raiva ao ter me lembrado do que aconteceu com ela.

ㅤㅤOlhei para o meu oponente e ele estava todo coberto por uma estranha gosma negra. Eu não entendi o que se tratava e nem procuraria saber também, pois minha atual condição não permitia uma visualização mais elaborada do oponente. Ele estava preparando-se para me atacar e eu não recusaria a oportunidade de massacrar ele até ter minha sanidade recuperada. Era a única forma de voltar ao normal. Algumas cartas dele colidiram com o meu corpo, sem efeito algum. Eu vou andando na direção dele e ele veio para cima de mim. Começamos a duelas. Ele com sua única Cimitarra e eu com as minhas duas lâminas. Ele com chutes e murros, eu com minhas facadas, cabeçadas e pontapés.

ㅤㅤHavia golpes que ele me acertava e golpes que ele errava. E naquele momento, eu vi as mesmas gosmas dele começando a tomar posse de mim.

ㅤㅤEmpunhei a minha OctoGrinder. É a Pepper Grinder da minha forma histérica. Ao invés de um moedor de pimenta gigante, ele era um molusco com tentáculos e com uma manivela, que cuspia esferas de tinta corrosivas contra o oponente quando disparada. E eu fiz exatamente isso. Se ele fosse me cobrir com sua estranha gosma negra, eu vou derreter o restante que estiver no corpo dele. E vou me mover correndo, disparando a queima roupa mesmo, sem me importar com mais nada, até travar a arma por superaquecimento.

ㅤㅤ── Você... quer me controlar também? É assim que quer se voltar contra a rainha? Me controlando também? ── Eu parei. E olhei para a rainha. ── Pois bem... Eu vou cuidar dela...

ㅤㅤEsse era o efeito das gosmas dele então? Tomar posse do meu corpo e voltar toda a minha fúria para a dona do reino vermelho? Ok. Eu farei o que ele comandar... De onde estou, saltei com facilidade para a cabeça do monstro e onde estava a rainha. Nós ficamos cara a cara. A minha histeria foi acabando. Eu fui retornando na minha forma normal, mas eu estava diferente. Eu estava com os olhos vermelhos e faminta por sangue.

ㅤㅤ── Fedelha... você vai mesmo matar a sua melhor amiga? ── Ela me provocou.

ㅤㅤ── Não. Você nunca mais vai usar o rosto dela! ── E soquei a cara da desgraçada, com tanta força que desmantelou a face de Reddy e revelou o rosto verdadeiro da rainha.


ㅤㅤEu pulei em cima dela e apenas com a mão, eu atravessei o peito dela, quebrando suas costelas com um golpe de faca com a mãos e agarrando a espinha dorsal dela. Sem dificuldade alguma, com uma força tremenda, eu arranquei ela para fora, em uma cena grotesca e horripilante que provavelmente reviraria o estômago do meu adversário lá na arena. Eu olharei nos olhos da rainha, mais uma vez.

ㅤㅤ── Eu sei que você renascerá no vale dos condenados! Eu sei que vai se arrastar até o seu trono e começar tudo de novo! Mas lembre-se de uma coisa... se eu a ver usando o rosto da Reddy mais uma vez... Eu vou te matar sempre das formas mais horripilantes possíveis! ── Eu dei um fim na rainha. Eu arranquei a espinha dela. Foi igual um fatality do mortal kombat. E soltei os ossos dela no chão, ao lado de seu trono.

ㅤㅤMeu vestido voltou a ser azul e não mais o de realeza. Por enquanto, as terras desoladas da Rainha Vermelha estavam livre de sua influência maligna e agora o País decidiu que eu voltaria a vestir a cor azul novamente. Ao lado da Rainha havia uma pequena mesa com um bule de chá, um xícara e um bolo branco todo confeitado com os dizeres escritos EAT ME. Limpei a faca no avental, tirando todo o excesso de sangue e cortei um pedaço do bolo, andando em direção ao abismo que havia entre a cabeça do monstro guardião que tinha um trono improvisado na cabeça dele para a falecida rainha vermelha e a arena onde eu estava duelando com o Keepler.

ㅤㅤ── Eu não tenho mais forças para manter nós dois aqui! ── Eu gritei na distância que eu estava. ── Mas isso não quer dizer que nós dois terminamos a nossa luta! Eu sei que você está exausto também, mas só sairei daqui vitoriosa!

ㅤㅤEu mordi o pedaço do bolo. Mastigo e engulo. O sabor era magnifico! Doce na medida certa! Eu comi o resto do bolo.

ㅤㅤ── Espero que o senhor esteja preparado para a minha última cartada nessa batalha, senhor Endeavour!

ㅤㅤEu saltei no abismo que nos separava e então, eu acabei assumindo uma forma que talvez ele não esperasse naquele instante. Meu corpo começou a crescer de uma forma anormal. Eu fiquei gigante. E não, meu vestido não se rasgou por conta disso. Ele cresceu junto, afinal o País das Maravilhas sempre quer manter meu vestido intacto, não importa o que aconteça comigo. A primeira coisa que ele veria era a minha mão segurando-se na borda da arena. Em seguida, eu me esforçando para subir na arena, ficando de pé ali. Eu acho que estou do tamanho de um Godzilla. Cruzei meus braços enquanto olhava para o meu oponente ali.

ㅤㅤ── Já enfrentou gigantes? Com sua experiência, eu presumo que tenha alguma coisa aí contra seres muito maiores que você!

ㅤㅤEssa era a Giant Alice (Nível 2). Gigante! Poderosa! O maior problema dos Power Rangers! Mas vulnerável. Muito vulnerável. O tempo no País das Maravilhas estavam se esgotando, assim como as minhas forças. Essa será a minha última tentativa e eu vou andar na direção dele como se quisesse esmaga-lo como uma formiguinha. Nesta forma eu possuo três ataques: Uma pisoteada poderosa que derruba construções e causa tremor ao chão. Um potente murro no chão que também derruba tudo que estiver no alcance e causa tremores. E um tabefe que também pode derrubar alguns edifícios mas não todos. Mas aqui... Só tem eu, Keepler e uma arena imensa. Pra onde ele vai correr? O que ele vai fazer? Eu não sei e nem quero saber. Mas essa brincadeira acaba agora!


(Gif ilustrativa)


ㅤㅤ── AAAAAAH! ── Pisei no chão!

ㅤㅤ── VAMOS! CORRA! ── Soquei o chão!

ㅤㅤ── FUJA DE MIM! HAHA! ── Tentei estapear ele, tentando atingí-lo.

ㅤㅤSe meu pisão pegar ele, ele será esmagado. O mesmo para o meu soco. Mas se o meu tapa acertar ele, ele poderá ser arremessado para a fora da arena.

ㅤㅤ── VEM CÁ! ── Mais um pisão!

ㅤㅤ── QUERO SABER COMO VOCÊ IRÁ FUGIR DE MIM AGORA! ── Outro pisão!

ㅤㅤEu encerrarei meus golpes contra o cenário e as tentativas de esmaga-lo após este ultimo golpe. Eu sinto minhas forças se esgotarem e a realidade em volta de nós dois começando a desaparecer. Eu não consigo mais manter Endiamond no País das Maravilhas e nem sequer tenho forças para estender a minha duração aqui também. Quando tudo começasse a voltar ao normal, o meu corpo também perderia o seu efeito mágico e reduziria de volta para o tamanho normal.

ㅤㅤO cenário do estacionamento, um caos para todos os lados, com as sirenes dos bombeiros e dos carros de polícia se aproximando para tratar dos feridos e tentar controlar a situação. Naquele instante, eu voltarei junto dele, independente do que acontecer com o mesmo durante meus golpes enquanto gigante. Caída de joelhos estarei, assim como ofegante e quase apagando pela exaustão. Eu usei muitos golpes especiais durante esta luta, levei meu corpo a um extremo que nunca pensei ser capaz de fazer... E dessa vez eu sei que consegui provar que nada do que fiz é apenas efeitos especiais.


_________________
ALICE MADNESS MOVELIST
avatar
Thε Mαdnεss Ω Λlιсє
Visitante
Visitante

Aniversário : 13/07/2002
Lugar de Origem : Inglaterra, Oxford
Mensagens : 31
Data de inscrição : 30/11/2017

https://myalbum.com/album/pJJ1Zp0qAul8

Voltar ao Topo Ir em baixo

Round Defensivo

Mensagem  【D.K】 Kєєρlєя Eиdєαvσυr em Dom Jun 17, 2018 8:16 pm



O Cavaleiro e a Rainha




Antes da queda da Rainha Reddy...

A Rainha Vermelha parecia uma criança mimada insana, gritando daquela forma, exigindo que sua vontade fosse feita a qualquer custo. Nem as risadas nem os resmungos dela conseguiam afetar mais Keepler como antes, mesmo com sua monstruosidade visível, aquilo era mais confortável de se olhar do que os mortos-vivos. O medo real dele circulava em torno da nova forma da oponente, tão imprevisível ao ponto do próprio corpo dele ser capaz de agir instintivamente para se proteger dela, bastava um fio de seu cabelo negro mover-se de maneira diferente para chamar-lhe toda atenção. Era inquietante olhar para  Alice naquele estado, o seu choro e seus grunhidos não-humanos, parecia ferir diretamente a humanidade de Endeavour ao passo aquela imagem se tornava mais nítida e mais impressa na sua mente. Ela sofria naquele estado? Tinha compaixão, assim como culpa e repulsa, fosse pela imagem à sua frente quanto pelo possível desgaste interno que a garota sentia.

As ameaças e promessas cruéis da monstra desferidas contra não pareciam surtir o efeito desejado, pelo contrário, ele parecia mais cético e rígido diante de tais palavras. Os instantes passavam a Rainha parecia mais fraca aos olhos dele, fazendo-o estreitar o olhar para ela com certa arrogância, alguém mais convicto de que bastaria ele mover-se com vontade de matá-la e isso se realizaria, tão fácil quanto o piscar de olhos. Uma fera olhando para um caçador, que acha que está ganhando, quando na verdade é a caça quem só está esperando o momento certo para virar o jogo.

A jovem pálida então parou, dividindo a atenção entre ele e a Rainha, deixando o mago intrigado e ainda mais alerta. Os tentáculos saindo de debaixo do vestido da mulher no trono não traziam uma visão tão amena quanto antes e, pela primeira vez depois de transformada, a garota que tinha se calado repentinamente ao mudar de forma, disse algo e elas começaram a discutir repentinamente. Havia algo profundo entre elas, uma espécie de ressentimento, muito além da cena diante dos seus olhos. E, repentinamente, a rainha exaltada se acalmou e foi quando Keepler e Alice passaram a trocar golpes¹. Toda vez que ela tentava golpeá-lo, a gosma o protegia, tornando-se mais rígida e absorvendo os impactos. Fossem socos, chutes, cabeçadas ou as próprias facadas desferidas pela oponente, a gosma viva impedia que eles alcançassem a pele de Endeavour. ².

A faca saiu da mão dela e tornou-se outra arma. Em um reflexo de surpresa, Endeavour deu uma sequência saltos para trás, pisando na ponta dos pés, enquanto que o Parasita da Ás of Spades liberou dezenas de tentáculos das costas de Endeavour, no intuito de protegê-lo, fazendo um casulo por cima de outro a fim de protegê-lo das bolas de tinta corrosiva. Cada vez que um tentáculo era desfeito, ou saía por baixo para manter a estrutura defensiva, sem atrapalhar o movimento de End. Todavia, o simbionte soltava um grunhido agudo e estridente devido a agonia causada pelo ácido que caía sobre si, embora pudesse se expandir cada vez mais, não isentava a criatura de sentir agonia com aquilo, mesmo não sendo suficiente para impedí-la de executar seu trabalho.

A arma da adversária travou, mas a gosma continuava em volta do corpo de Keepler, ainda mais agitada, balançando os tentáculos ferozmente em sinal de agressividade devido ao ataque sofrido, contudo a fala de Alice fez com que o mago “segurasse a onda” de sua carta, tinha conseguido tomar força da mente da oponente? Nem teve tempo de responder positivamente para ela, visto que a garota saltara rumo à Rainha para atacá-la? Seria apenas isso?

A rainha falou algo sobre ser morta, End achava justo, desde que fosse uma morte rápida e limpa. Não imaginou que a jovem fosse capaz de tal brutalidade, nos instantes seguintes: O soco no rosto da Red Queen deixou mais evidente a monstruosidade diante deles, fazendo o Knave dos Diamond cerrar os punhos e ranger os dentes em uma mescla de raiva e repulsa.. Naipes se resumia a criaturas deformadas e não-humanas agora? Um palco de bizarrices e depravações? As Relíquias-Deuses queriam esse tipo de mundo? A revolta borbulhava dentro de si, poucos instantes de ser substituída por pavor, quando viu a mão de Alice afundar no corpo da Rainha e ele passou a ouvir do estalar de ossos, fazendo o mesmo fazer menção de andar para frente, estendendo a mão da garota num sinal de repressão.

[Keepler]: ALICE, NÃO!


Agora, ainda na dimensão paralela de Alice...

Alice era tão monstro quanto a rainha? Seria a garota capaz de fazer o mesmo com ele? A cena nunca mais saíria da mente do rapaz, não era pior que o massacre que ele viveu, nem dos outros que presenciou, mas o horror do que via agora ainda sim era autêntico: As vísceras vindo junto com a espinha, trazendo restos de músculos, órgãos, ligações nervosas, tal como arrancar uma planta do chão e vir pedaços de terra e as raízes junto. Aquele banho de sangue e tripas para todo lado, o grito agonizante da rainha no processo, os olhos arregalados em uma expressão de pura dor. End já estava de estômago vazio, a não ser o sangue do corte sofrido e mais alguns fluidos internos. Todos esses líquidos vieram em um vômito único e abundante, sujando o chão à frente do homem, que novamente levava a mão a boca tomada por um gosto férrico e amargo, enquanto ele abaixava o olhar, evitando encarar mais aquilo tudo.

Se precisava matar um adversário, tentava fazer isso de maneira rápida e limpa, a não ser que fosse uma pessoa capaz de nutrir o pior em Keepler para levá-lo a tomar ações tão brutais, ainda que isso posteriormente lhe custasse a tranquilidade mental por períodos extensos. End ja matou outros com aquele mesmo requinte bestial, mas foram outros tempos, outros momentos… Um outro de si próprio. Estava curvado tossindo o resto de saliva da boca, limpando o queixo e os lábios com as costas da mão esquerda, ofegante, quando a garota lhe direcionou a palavra ── Eu não tenho mais forças para manter nós dois aqui! Mas isso não quer dizer que nós dois terminamos a nossa luta! Eu sei que você está exausto também, mas só sairei daqui vitoriosa!── Ela fizera aquilo consciente ou foi o final de sua transformação insana? Não, ela havia falado algo antes com a rainha, mas ele só ouviu os balbúcios. Acenou positivamente com a cabeça, voltando os olhos estritamente para a jovem, tentando evitar a cena horrenda deixada no trono.

A gosma desapareceu do corpo dele e o mesmo aguardava pela investida de Alice. Ele ainda tinha muitos recursos para utilizar, podia arrastar aquele embate por horas, a fala dela deu a certeza de que a mesma estava chegando ao seu limite, o mago por sua vez tinha o corpo pronto para manter-se de pé, mas sua mente ficará desgastada perante as lembranças revividas e coisas que viu e sentiu, emocionalmente falando, então ela estava certa sobre a exaustão dele. ── Espero que o senhor esteja preparado para a minha última cartada nessa batalha, senhor Endeavour!── Não tinha visto ela comer o Bolo, quando a fitou a mesma ja estava se precipitando diante do abismo, a garota caiu e ele ia correr para ver o que tinha acontecido, um impulso natural do mesmo, até que a mão gigante o surpreendeu, fazendo recuar mais, não de medo, e sim de alerta.

O bom dela ser grande era que não saíria de sua vista, assim como seus movimentos pareciam mais lentos, logo, previsíveis. Era imponente e perigosa, sem dúvida. Monstros daquele tamanho normalmente tinham uma força bruta esmagadora. Alice estava de pé diante dele, o mago estava distante o suficiente para conseguí-la olhar diretamente nos olhos, decerto ficaria constrangido em estar em um ângulo desrespeitoso diante da jovem, pois ela usava um vestido na altura dos joelhos. Keepler ficou muito preocupado sobre o que ela faria se conseguisse agarrá-lo ou pisá-lo, considerava que não estava isento de sofrer final parecido ao da Rainha Vermelha. Deveria focar em estar fora do alcance e domínio da gigante, mas a arena era plana, limpa, sem construções para se esconder. Pelo tamanho da oponente, a mesma seria capaz de cobrir distâncias longas em poucos passos. Correr? Seria mais desgastante para si próprio, a melhor alternativa seria aquela que garantisse sua integridade física. ── Já enfrentou gigantes? Com sua experiência, eu presumo que tenha alguma coisa aí contra seres muito maiores que você!── Não respondeu com palavras, apenas mostrou-se mais sério que antes, pois ele não sabia mais de que maneira enxergá-la diante de tantas facetas dela que foram apresentadas.

E em um ponto a garota estava certa. De fato, já havia lutado com gigantes em suas aventuras por outros mundos, não seria um obstáculo complicado. Todavia, ele ficara impressionado pela agressividade dela. Tomaria as medidas necessárias para não ser mais atingido pela mesma e só atacaria para dar um golpe definitivo quando houvesse a chance perfeita. Pegou a carta Queen of Diamond (S.T - Lv. 02: Inalcançável) em mãos, olhando a adversária se aproximar mais e mais até, que quando ela levantou a perna para pisoteá-lo, ativou o efeito da carta. Um feito muito perigoso, mas o mesmo confiava muito no poder das cartas e, a julgar pela maneira que ela investiu, não achava que teria algum truque no golpe. A carta funcionando normalmente, o pé dela passaria pelo corpo dele, até então, sem causar-lhe dano algum. O chão quem receberia todo o golpe, levantando uma névoa de poeira e destroços. E ele permaneceu no mesmo lugar, parado, olhando para a oponente em meio as falas e tentativas de acertá-lo em cheio. O tabefe? Provavelmente acertaria destroços e os jogaria longe, mas nenhum sinal de Endeavour dentro da poeira embaixo dos pés dela. Ela pouco a pouco foi perdendo a forma gigante, assim como o mundo em volta se desfazia e retornava para o estacionamento da Live House, a jovem agora ajoelhada diante do mago, beirando a perda de consciência. O homem a observava de cima, segurando mais firme a empunhadura da cimitarra na mão direita, seria a chance perfeita



Em Old Line...

Durante o tempo que eles ficaram na outra dimensão, o caos permaneceu vivo na vizinhança da casa de festas.Os bombeiros foram os primeiros a chegarem para controlar o fogo dos destroços dos carros e outros focos que surgiram por causa dos destroços, mas a polícia e o serviço de emergência também estavam a caminho. O bar fora abandonado pela multidão que se misturava no passeio do outro lado da rua com outros pedestres, ainda haviam pessoas sendo retiradas inconscientes, feridas e em outros estados às pressas da zona de perigo. O barulho de helicópteros podia ser ouvido rondando os céus da área passando nos noticiarios o acontecimento repentino. Uma reporter que estava no ar dava um apanhado geral sobre o cenario:

[Reporter]: Estamos ao vivo sobrevoando o prédio onde fica a Live House “Old Line”, em Second Southtown. O que parecia ser uma noite comum de festas se tornou um verdadeiro inferno. Temos imagens lá debaixo onde há muita destruição, pessoas correndo e focos de incendio sendo controlados pelo corpo de bombeiros local. - Dizia uma mulher loira de olhos azuis, segurando o cinto do banco com uma das mãos e a outra tentando manter o os fones de ouvido presos a cabeça devido a ventania do vôo, com o microfone embutido no headset direcionado à boca da repórter. -... Segundo informações não-oficiais, duas pessoas começaram a lutar no estacionamento da casa noturna, quando as coisas fugiram de controle e explosões aconteceram de repente, causando destruição no prédio e deixando muitos feridos, desde ferimentos leves até graves. Até então não houve um levantamento de vítimas fatais, nem do paradeiro dos lutadores clandestinos. Não é a primeira vez que a cidade fore “atentados” desse tipo devido à combates nas ruas… Agora é vocês ai no estúdio!

A polícia e os primeiros socorros estavam tendo problema para chegar ao local devido ao congestionamento causado, os bombeiros tiveram sorte em conseguir chegar à tempo. Logo logo as autoridades estariam ali e, muitas das pessoas na casa noturna, viram Alice e Keepler reaparecerem em meio à confusão, apontando para eles e comentando entre si. Cada instante ali podia complicá-los ainda mais.




End não sabia se ela estava realmente debilitada, havia um receio tremendo dele em ser alvo da selvageria da garota, tanto pelo que poderia sofrer, quanto pelo que teria de fazer para pará-la. Teria que dar um fim naquele instante? Ergueu lentamente a cimitarra, fitando os cabelos negros da garota sobre os ombros e ela ofegar sem parar. Ela havia conseguido resistir tanto tempo com os pulmões detonados pelo diamante, mas isso poderia ter sido custoso, algo que de fato punha sua vida em risco. Movimentou a mão em um gesto rápido e a cimitarra desapareceu no ar, o mesmo se abaixou, não se importando se estava correndo mais risco ou não. Naquele instante ele decidiu qual visão teria sobre a adversária: Entre assassina, amazona, psicótica e uma jovem garota. A lembrança da mãe dele e de Mabelle foram mais fortes.

Uma mão dele a envolveu pelas costas, fazendo o ombro e o peitoral de repouso para que Alice pusesse a cabeça em seu ombro, e a mão direita a segurava por baixo da dobra dos joelhos, carregando-a com cuidado e correndo para longe do estacionamento, visto que o som das sirenes das viaturas estava sobrepondo o som das mangueiras de água sobre os incêndios. Enquanto corria para longe, desviou os olhos para a moça em seus braços, resmungando com uma respirada mais forte.

[Keepler]: Ainda não acredito que não seja parte de nada em Naipes. - Sussurrou enquanto enveredava por algumas vielas, atravessando uma pista, sem receio dos carros que vinham, porque sabia que conseguiria escapar deles e chegar até o outro lado. A garota precisava de assistência rápido e, acreditava ele, não ser ideal levá-la à um hospital. Chegando ao que seria uma pequena praça arborizada, a colocou sentada num banco de ferro, enquanto puxava a carta Ás of Scarletheart (S.T - Lv. 02: Regeneração Total - Interna) - Essa carta vai curar você, vai voltar a respirar normal e tudo, prometo que não é para ferí-la...- E, assim que ela concordou, colocou a carta sobre a pele dela pouco na região pouco abaixo do pescoço. Fazendo-a parar de ofegar segundos depois e respirar normalmente. Não havia mais dano interno em seu corpo, embora não pudesse tirar a fadiga física. Agachado diante de Alice, Keepler a olhava no fundo dos olhos, ainda que não tivese gostado nenhum pouco da maneira como ela finalizou a rainha, todo o resto da luta trouxeram uma chama apagada dentro do coração e da alma do mago, que pegou a mão da mesma com ternura e de forma respeitosa. - Não sou uma ameaça para seu mundo, mas posso dizer que lutou bravamente… Como uma rainha digna do reino que lhe pertence, senhorita Alice, ou melhor… Majestade! -

Endeavour levantou-se diante dela e curvou-se como qualquer um deveria fazer diante de um nobre, reverenciando-a como o cavalheiro e cavaleiro que era, representante dos Diamond. Ao fim, esboçou um leve sorriso no canto dos lábios e tirou do bolso do colete que usava um cartão com o endereço do bar onde ele trabalhava

[Keepler]: Trabalho lá pela noite, quando estiver recuperada, acho que deveríamos conversar com calma sobre tudo. Trate de se cuidar. Até algum dia!

Assim, com a consciencia limpa de que ela estaria em condições de se virar sozinha, seguiu pelas ruas em passos apressados. Ele tinha seu próprios ferimentos para sarar agora, mais internos que externos. Precisava se refazer depois daquela luta… De novo.³





CONSIDERAÇÕES


OBS¹: Foi o combo de ataques do Round 5 - Movimento I, não são ataques novos; Citei a ação para justificar como a defesa foi executada.

OBS²: Apenas uma nota para reforçar a explicação da Extensão. Ás of Spades - Parasita do Infinito, no S.T - Lv.03: Possuí a característica especial de dominação, além das características anteriores, das S.T - Lv.01, S.T - Lv.02  e T.E.

OBS³: O final foi conversado em P.V com Alice, para que saísse harmonioso, de maneira coerente, o encerramento do evento.

1 - Foram executadas: 2 Defesas Especiais: A gosma negra do Ás of Spades protegendo o corpo de Keepler dos disparos Octogrinder e dos ataques físicos; e a Queen of Diamond tornando-o intangível diante dos ataques da Alice Gigante.
 
2 - Keepler usou a carta Ás of Scarletheart para curar Alice, para que ela pudesse ir embora sem maiores problemas.




RESUMO


Após a discussão entre Keepler e a Rainha, Alice e ele começaram a trocar golpes até que a garota virou-se contra a Reddy, matando-a diante do mago o fazendo ficar apavorado e temeroso pela própria segurança. Entretanto, a oponente estava chegando ao seu máximo e restava mais uma investida, a qual End usou do poder de intangibilidade para tentar sair ileso dos golpes de uma Alice Colossal.
Levados de volta para Old Line, o homem foi incapaz de deixar Alice naquele estado, tampouco podiam ficar ali devido a confusão causada e a levou para um local mais afastado, onde usou a As of Scarletheart para curar os machucados da garota e assim cada um tomar seu rumo por um tempo, até que pudesse pôr as cartas na mesa, de maneira pacífica, sobre o que aconteceu.
avatar
【D.K】 Kєєρlєя Eиdєαvσυr
Visitante
Visitante

Aniversário : 15 de Novembro
Lugar de Origem : Naipes (Universo Fictício)
Mensagens : 9
Data de inscrição : 09/05/2018

https://postimg.cc/gallery/146ful15y/

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: EnDiamond VS Thε Mαdnεss Ω Λlιсє

Mensagem  Conteúdo patrocinado


Conteúdo patrocinado


Voltar ao Topo Ir em baixo

Página 2 de 2 Anterior  1, 2

Voltar ao Topo


 
Permissão deste fórum:
Você não pode responder aos tópicos neste fórum