LoU 2016: Luta Final - Blue Mary X Terry Bogard

Ver o tópico anterior Ver o tópico seguinte Ir em baixo

LoU 2016: Luta Final - Blue Mary X Terry Bogard

Mensagem  Sra.Bogard,LilithSkyamiko em Dom Dez 17, 2017 2:38 pm





Philanthropy Belfry









ㅤㅤㅤㅤLonge o suficiente da catedral Pioneer Plaza que atrai uma clientela completamente diferente, o Philanthropy Belfry é nomeado assim porque foi construído com recursos captados com a caridade. Você pode apenas ver a frente dele na segunda fase do estágio de trem do Terry, por isso é perto de uma estação de trem com ligação no continente. Embora pareça legal, e tem uma sensação relaxante e tranquila, não posso acreditar que é muito divertido estar lá em cima na torre de sino quando os sinos gigantes estão tocando.


ㅤㅤㅤㅤObservações: Considerar as mudanças no enredo da quest para o órfanato.
ㅤㅤㅤㅤConsiderar dificuldades do enredo para chegarem até a torre dos sinos, onde irá ocorrer a luta de vocês.
ㅤㅤㅤㅤBlue Mary: Como seu time não lhe deu ajuda necessária ocorrerar algumas interferências em sua chegada na luta, isso irá lhe deixar cansada, no minimo e no máximo você ficará machucada. Não está imposto como isso irá acontecer, você deverá desenvolver seu enredo de acordo com o que acontece na região até sua chegada ao órfanato.
ㅤㅤㅤㅤTerrt Bogard: Apesar de não ter muita perda de pontos para o seu time, ainda assim ocorreram perdas, de acordo com o enredo estabelecido para a cidade deverá encontrar dificuldades para chegar até a sua luta, esssas difículdades irá lhe atrasar, no mínimo e no máximo lhe deixará cansado.


ㅤㅤㅤㅤHorário: Período da noite, onde está compreendido o seguinte intervalo de tempo: 06:00 p.m até 12:00 a.m
ㅤㅤㅤㅤRounds: Prólogo + 3 rounds + defensivo
ㅤㅤㅤㅤPrazo Postagem: 8 dias
Blue Mary X Terry Bogard

ㅤㅤㅤㅤIniciante da luta: Blue Mary!
ㅤㅤㅤㅤData para começarem a postar na luta: 20/12/2017.


avatar
Sra.Bogard,LilithSkyamiko
Administradores
Administradores

Lugar de Origem : Moscou, Rússia
Mensagens : 96
Data de inscrição : 10/08/2017
Idade : 27

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: LoU 2016: Luta Final - Blue Mary X Terry Bogard

Mensagem  Blue Mary em Ter Dez 26, 2017 11:34 pm




BLUE
THE UNDERCOVER AGENT
Mary



Prólogo



ㅤㅤㅤEu havia perdido a minha luta para Andy. Eu sabia que os irmãos Bogard eram imbatíveis quando levavam a sério aquilo que eles mais sabiam fazer de melhor, lutar.
ㅤㅤㅤDepois da minha última luta, procurei o mais rápido possível ir para uma das bases Ikari Warriors, eu precisava me encontrar com o cabeça deles para tentar organizar os pensamentos quanto àquela missão que já beirava o impossível. Depois de alguns dias de descanso lá, voltei aos trabalhos.
ㅤㅤㅤCuriosamente os outros agentes secretos estavam lá no QG que ficava no S. S. P. Maneuver Field. Seth, Ramon e Vanessa já estavam imersos numa papelada sem fim. Foi Ramon o primeiro a se pronunciar quando me viu.
ㅤㅤㅤ— Ih… A loira parece que levou uma surra…
ㅤㅤㅤ— Você lutou contra Andy Bogard, certo? —
perguntou Seth.
ㅤㅤㅤFiz um “sim” com a cabeça enquanto procurava uma cadeira para me sentar.
ㅤㅤㅤ— Que merda, “lôra”! — disse Vanessa já voltando sua atenção para uma folha à sua frente. — Temos novidade, Mary.
ㅤㅤㅤ— E quais são?

ㅤㅤㅤSeth tomou a palavra, se levantando e indo em direção ao projetor.
ㅤㅤㅤ— Há grandes indícios de que este torneio não tenha sido organizado pelo autor de todos estes atentados.
ㅤㅤㅤ— Hmmm… Continue! —
eu disse.
ㅤㅤㅤ— Por mais que já tenha sido habitual pra gente, dessa vez, os atentados em meio à competição estão sendo realizados por outra pessoa… — o negro concluiu reticentemente.
ㅤㅤㅤ— Outra entidade… — corrigiu Vanessa.
ㅤㅤㅤ— Todos esses papéis formam o dossiê de tudo o que vem acontecendo neste torneio… — voltou Seth. — Primeiro vieram os convites com uma assinatura que, a princípio, não nos deixaria qualquer suspeita… “The Queen”. Logo depois, vieram as equipes formadas de maneira inusitada, sem qualquer consentimento dos lutadores e com objetivos bastante estranho, completamente fora do padrão de uma competição de lutas, onde membros de mesma equipe poderiam se enfrentar. Então percebeu-se que havia pontuações que qualificava essas equipes, mesmo que isso não tivesse importância quanto ao desempenho dos lutadores no torneio.
ㅤㅤㅤ— E você tomou na tarraqueta, hein loirona? —
foi a vez de Ramon zombar.
ㅤㅤㅤ— O curioso… — Vanessa tomou a palavra — … é que as missões da equipe tinha como objetivo trabalhar para a população das duas cidades. No começo achamos que poderia ser uma forma de cansar os lutadores para uma eventual batalha final, mas não havia qualquer lógica nisso, porque os prazos de descanso eram confortáveis.
ㅤㅤㅤ— Mas os satélites dos Ikari pegaram imagens de Terry Bogard tentando conter aquele furacão. O radar de energia utilizado pelo exército de Heidern notou que o furacão que Terry enfrentou não era natural, mas sim fruto de algum poder maligno.
ㅤㅤㅤ— Então vocês acham que há algum benfeitor envolvido nisso, que sabia sobre uma ameaça e convocou um torneio para reunir nomes que pudessem combater uma grande ameaça, sendo ele incapaz de bater de frente? —
indaguei.
ㅤㅤㅤ— Neneca, lorona! — respondeu Ramon balançando o dedo indicador de um lado a outro pra mim. — O torneio era para que os lutadores não se envolvessem nessa briga com a entidade.
ㅤㅤㅤ— Pfff… Onde há lógica nisso? —
perguntei.
ㅤㅤㅤ— A lógica está nessas fotos de satélite, logo após uma enxurrada de demônios invadir a cidade, direto do campanário… — disse Vanessa me estendendo um maço de folhas…
ㅤㅤㅤ— Filha da puta! — eu disse logo ao ver as imagens.
ㅤㅤㅤNão demorou para Heidern entrar naquela sala. Trazia um envelope consigo, deixou sobre a mesa e disse:
ㅤㅤㅤ— Você está na final do Legend Of Universe, agente Ryan.
ㅤㅤㅤ— O-o q-quê…? Mas eu perdi a última luta. —
eu disse surpresa.
ㅤㅤㅤ— Parece que você passou por pontos… Pelo menos é o que parece… Não sabemos a forma de como procedem no torneio.
ㅤㅤㅤ— E o outro finalista? Quem é? —
indaguei enquanto os outros agentes ficaram atentos à resposta do líder dos Ikari Warriors.
ㅤㅤㅤ— Terry Bogard!
ㅤㅤㅤ— Filha da puta! —
eu disse após dar uma porrada contra a mesa.
ㅤㅤㅤ— É Mary! Parece que você não terá argumentos para prendê-la! Ela não agrediu a cidade… — disse Vanessa — … ela tentou proteger a cidade.
ㅤㅤㅤ— Grrrr…. —
rosnei.

ㅤㅤㅤA cidade estava cada vez mais infestada por demônios. A “nascente” era a instituição filantrópica. Havia uma grande volume de energia naquelas imediações. Não havia jeito. Não havia alternativa. Era hora de acabar com a palhaçada.
ㅤㅤㅤFomos a campo. Eu e os outros agentes. Não havia mais necessidade daquela besteirada. Se omitir, se ocultar. Bastava que mantivéssemos o contato visual no campo de batalha para que não nos perdêssemos. Tivemos cobertura dos Ikari, que nos levou de helicóptero a uma área próxima da instituição. Quem não tivesse fibra, tremeria dos pés a cabeça só em pisar naquelas imediações.
ㅤㅤㅤDe cara nós percebemos uma aglomeração que parecia conter aquela horda de demônios. Pouco a pouco fomos avançando até que reconheci um daqueles que estavam ali.
ㅤㅤㅤ— É ele!
ㅤㅤㅤAvancei contra aqueles monstros utilizando de minhas manobras marciais, sem perder tempo em finalizá-los, apenas evitando que me dessem mais problemas. Os outros agentes tentavam manter o mesmo pé, ainda que Ramon fizesse mais estardalhaço. Próximo de Terry, colei minhas costas nas dele para que não tivéssemos ponto cego contra os demônios.
ㅤㅤㅤ— Sou eu, Bogard! Parece que o destino nos colocou frente a frente novamente num torneio e numa aventura. Você tem a opção de lutar contra mim ou lutar ao meu lado…
ㅤㅤㅤEle esboçou seus habituais clichés, mas não havia tempo para brincadeiras e eu fui logo tratando de cortá-lo:
ㅤㅤㅤ— A situação é mais séria do que você imagina, Bogard. Sua esposa organizou este torneio para nos proteger. Pode parecer estranho, mas o objetivo dela era bater de frente sozinha contra este capetão que está aí prestes a nos ceifar a vida. Com o torneio ela teria a distração para o povo e nossa determinação em vencê-lo. Mas parece que ela não conhece bem o bando de South Town, hum?
ㅤㅤㅤEle me pareceu surpreso, porém novamente não esperei que ele viesse com perguntas.
ㅤㅤㅤ— Então, Terry! O negócio é o seguinte. Eu não estou aqui para brincadeiras. O torneio não tem ligação com o desgraçado responsável por tudo o que aconteceu às duas cidades. Não estou mais a fim de aturar os joguinhos da sua mulher. Se quiser o troféu do torneio, faça bom proveito. South Town e Second South precisam de ajuda de verdade.


Hot Agents



BLUE
THE UNDERCOVER AGENT
Mary




avatar
Blue Mary
Visitante
Visitante

Lugar de Origem : EUA
Mensagens : 1
Data de inscrição : 17/12/2017
Idade : 44

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: LoU 2016: Luta Final - Blue Mary X Terry Bogard

Mensagem  ☆Ɽµηηιηɡ Ⱳιɭδ☆Steel Wölf☆ em Qua Jan 03, 2018 11:14 pm



The Legendary
Running Wild
Steel Wölf




ㅤㅤㅤ Abrigo nas imediações do aeroporto, Southtown, FL – EUA.

ㅤㅤㅤ A tempestade estava dando sua trégua, ainda que o céu mostrasse sua face mais tenebrosa, não dando sinais de que as coisas iriam melhorar. Lama e poças passavam a se tornar parte daquele cenário de horror. Os assoalhos das cabanas também sofriam com isso, onde muitas delas acabaram tendo seus mantimentos estragados.
ㅤㅤㅤ Mas ainda assim isso tudo era fichinha para o que realmente estava acontecendo. Não fosse os lutadores locais, a coisa estaria muito mais feia do que se apresentava. Laura Matsuda, Duck King, Candy Cane, Joe Higashi, Franco Bash e os irmãos Jin faziam como podiam ali, destruindo cada demônio que lhes aparecessem como empecilho, tentando salvar cada vida que lhes estivesse ao alcance. Porém nem tudo são flores, muito menos filme de Hollywood. Muitas baixas, muitas vidas perdidas naquele abrigo.
ㅤㅤㅤ — Franco! — inquiriu Joe.
ㅤㅤㅤ — Hmmm? — respondeu o outro.
ㅤㅤㅤ — Eu nunca vi essa cidade deste jeito, nem quando aqueles moleques tocaram o terror.
ㅤㅤㅤ — Pois é, Joe!
ㅤㅤㅤ Ambos se entreolhavam encharcados de suor, com marcas de um líquido pegajoso de suas vítimas demoníacas em meio a ferimentos em seus corpos. Os dois continuavam naquela batalha insana até que repentinamente os demônios desapareceram. Ouviu-se um clamor de esperança no abrigo.
ㅤㅤㅤ Os irmãos Jin se encararam preocupados, temiam o pior. Chonrei, com suas sobrancelhas voltadas para o centro da face, perguntava ao irmão se ele continuava sentindo aquela energia que vinha do outro lado, lá de 2nd South.
ㅤㅤㅤ — É claro, irmão! — respondeu o de cabelo de cuia.
ㅤㅤㅤ — Sabe o que isso significa, né?
ㅤㅤㅤ — Uhum… Mas nós não podemos sair daqui. Iríamos desfalcar os outros defensores do abrigo.
ㅤㅤㅤ — Você tem razão. Temo que Terry e os outros precise da gente lá.
ㅤㅤㅤ Depois da calmaria, Laura e Duck King se afastaram. Era nítido o cansaço estampado na face de todos os que estavam ali. Era uma autêntica guerra o que as duas cidades estavam vivendo. Enquanto isso, Candy Cane fazia de tudo para distrair as crianças, para que aqueles pequenos não tivessem uma infância marcada profundamente por uma tragédia daquelas.
ㅤㅤㅤ Joe Higashi, muito fadigado, disse para Franco:
ㅤㅤㅤ — Eu preciso ir atrás de comida para essa galera. Essa comida não vai durar por muito tempo.
ㅤㅤㅤ — E onde você vai procurar comida aqui?
ㅤㅤㅤ Joe apontou na direção da Geese Tower.
ㅤㅤㅤ — Vai andar muito, Joe! E quem garante que lá na ilha leste tem alguma coisa?
ㅤㅤㅤ — Se a Geese Tower está de pé, ou é porque aquilo ali tem uma macumba braba, ou porque o furacão que arrasou a cidade não passou por ali.
ㅤㅤㅤ — Hmmm… Faz sentido…
ㅤㅤㅤ Os irmãos Jin se aproximaram, perguntaram a Joe quais seriam as providências a serem tomadas.
ㅤㅤㅤ — Garotos! Eu vou atrás de comida para todos. Logo vai acabar e teremos uma população de famintos.
ㅤㅤㅤ — Nós vamos contigo! — disse Chonrei.
ㅤㅤㅤ — Claro que não! — retrucou Joe.
ㅤㅤㅤ — Você não vai conseguir trazer sozinho comida para todo mundo. Vai precisar de ajuda para carregar. — foi a vez de Chonshu falar.
ㅤㅤㅤ — Hmmm… — fez Joe. — Então estejam prontos logo. Não vou demorar a sair.
ㅤㅤㅤ — Não vai descansar? — perguntou Franco.
ㅤㅤㅤ — HAHAHAHAHA… — Joe deixava sua gargalhada característica — Você está falando com Joe Higashi, rapá!
ㅤㅤㅤ Mas ainda havia uma garota bem piroquinha das ideias que havia combatido aqueles demônios da forma que podia. Tentava manter a tranquilidade entre as pessoas, dividindo os mantimentos de forma justa. Alice Garnet Nakata, ou apenas Alice, estava ali no meio daquela situação, onde muitos sequer davam por sua falta.
ㅤㅤㅤ — Terry vai me matar quando souber que Lilith fugiu… — ela disse quase que para si mesma.
ㅤㅤㅤ Ela continuou arrumando os arredores. Levantava barracas, auxiliava na remontagem, ajudava a carregar água, brincava com os pequenos e dava atenção aos idosos. Com todo aquele jeito ninfetinha safada de ser, Alice estava sendo uma mão na roda durante aqueles acontecimentos.
ㅤㅤㅤ Quando ela viu Joe se distanciando do grupo que estava perto dali, ela correu daquele jeitinho patricinha e perguntou:
ㅤㅤㅤ — Joe! Você vai nos abandonar?
ㅤㅤㅤ — Caramba, Alice! Achei que você havia morrido no meio disso tudo.
ㅤㅤㅤ — Hmpf! Pensa que não sei me defender?
ㅤㅤㅤ — N-não é isso… Bom… Eu e os irmãos Jin vamos atrás de comida para o povo lá na ilha leste. Por que quer saber?
ㅤㅤㅤ — Eu quero ir com você.
ㅤㅤㅤ — O abrigo vai acabar ficando desprotegido.
ㅤㅤㅤ — Se eu for com vocês, poderemos trazer mais comida.
ㅤㅤㅤ — Engraçado que eu já ouvi isso...

ㅤㅤㅤ Pentágono, Washington, DC – EUA.

ㅤㅤㅤ Os satélites não conseguiam trazer imagens das duas cidades. Nem Southtown, tampouco 2nd South tinham imagens para que o pessoal pudesse avaliar. Vários contatos com a NSA foram feitos, porém eles estavam conseguindo o mesmo resultado do Departamento de Defesa americano.
ㅤㅤㅤ Naquele momento, o responsável por vigiar a situação praguejou o exército mercenário Ikari Warriors. Para ele, era algo proposital do homem de tapa-olho, querendo ter o controle da situação sem intervenção de outra força.
ㅤㅤㅤ Já na parte que dizia respeito à USAF, Anne estava de joelhos numa sala onde apenas um holofote permanecia voltado para o rosto dela. Já havia passado por uma seção de espancamento, com marcas roxas em seu rosto e sangue que vertia de seus lábios e nariz.
ㅤㅤㅤ — Qual a sua ligação com o que está acontecendo lá? — disse um deles.
ㅤㅤㅤ — Por que… vocês… não me mandam… pra lá? — retrucou Anne quase que balbuciando — Qual… o problema… de mandar apoio à… Southtown?
ㅤㅤㅤ — Nós recebemos ordens de cima… E diferente de você… cumprimos as ordens.
ㅤㅤㅤ O outro oficial ficava olhando Anne com os olhos semi-cerrados. O homem que fazia as perguntas preparou um revólver com silenciador…
ㅤㅤㅤ — Acho que já está na hora de darmos um fim nessa garota…
ㅤㅤㅤ O outro oficial não esboçou reação, permanecendo frio. Anne fechou os olhos e abaixou a cabeça.
ㅤㅤㅤ “PFFFFF...” A filha de Terry Bogard abriu os olhos lentamente e viu o corpo do seu inquisidor bater contra o solo à sua frente. Ao levantar a cabeça, inclinando-a, viu o outro agente com a arma ainda apontada para o que deveria ser seu parceiro. A loura o encarou interrogativamente, querendo entender o que estava se sucedendo. O agente levou à mão aos seus óculos sem armação, ajeitou-os e disse:
ㅤㅤㅤ — Não me faça perguntas… Apenas vamos sair daqui!
ㅤㅤㅤ — Mas como?
ㅤㅤㅤ O homem vasculhou os bolsos do agente morto, roubou a chave das algemas e soltou Anne, dizendo:
ㅤㅤㅤ — Rápido! Troque de roupa com o morto e limpe seu rosto.
ㅤㅤㅤ Anne não perdeu tempo. Retirou todo o traje do agente caído e se despiu logo em seguida, vestindo o traje sem se importar se havia alguém do sexo masculino ali. Mas vale a vida do que o pudor, né? A filha de Bogard teve o cuidado de ocultar seus traços femininos, enterrando a boina sobre os olhos e firmando os lábios, sempre andando às sombras do agente salvador. Aquele misterioso homem fazia parte do Pentágono e por um motivo que Anne desconhecia, estava lhe ajudando a sair daquela situação.
ㅤㅤㅤ — Quem é você? — a loura perguntou.
ㅤㅤㅤ — Alguém que você deveria agradecer antes de perguntar quem é! — retrucava o agente de cabelos curtos e castanhos, olhar sempre compenetrado à frente. — No momento não importa quem eu sou… Importa se você vai conseguir sair dessa…
ㅤㅤㅤ Anne engoliu em seco e continuou seguindo o agente.

ㅤㅤㅤ S.S.P. Maneuver Field. Second Southtown, FL – EUA.

ㅤㅤㅤ O policial Kevin Rian não estava acreditando no que estava acontecendo ali. Há dois dias o quartel da polícia estava encurralado graças a infestação de demônios que se proliferou pela cidade. O louro corpulento liderava a defensiva para que tais seres não tomassem o quartel.
ㅤㅤㅤ — Mas que merda! De onde esses filhos das putas vieram?
ㅤㅤㅤ O helicóptero de suporte acabou sendo puxado. Um grupo de demônios acabou se empilhando e com a força que tinham, se arremessaram contra o helicóptero. Kevin via de longe a aeronave indo ao solo. “BOOOOOMMMM...”
ㅤㅤㅤ A explosão fez com que muitos dos demônios fossem pelos ares, porém aquela batalha estava longe de acabar.
ㅤㅤㅤ Ele percebeu que o número de demônios diminuía gradativamente. Só podiam ter fechado algum portão do Satanás em algum lugar. Kevin começou a dar ordens para uma contra-ofensiva, comandando outros policiais a avançarem contra aqueles seres asquerosos.
ㅤㅤㅤ — VAM’BORA, PORRA! É BATER OU MORRER! ATIREM CONTRA O PESCOÇO… SEM ERRO!
ㅤㅤㅤ Os sons dos Calibres 12 ecoavam pela área, enquanto a chuva ia dando sua trégua.

ㅤㅤㅤ Philanthropy Belfry. Second Southtown, FL – EUA.

ㅤㅤㅤ A chuva dava mostras de uma trégua, mas a saraivada continuava a todo vapor. Terry, Keith, Sonia e Hotaru empregavam suas técnicas de combate evitando prolongar combates contra apenas um adversário. As memórias de um passado vinham à tona na mente daquele vagabundo da Flórida. Aqueles dias em que Terry, Andy, Joe, Mai e Big Bear enfrentaram demônios nas montanhas do Norte da China. Como fazia tempo…
ㅤㅤㅤ — ANIQUILEM OS INIMIGOS NUMA ÚNICA PORRADA! — gritava Bogard, com mexas de cabelo coladas em sua face, num misto de suor e água da chuva.
ㅤㅤㅤ O gosto salgado tocava seus lábios em meio a gritos de euforia e exasperação. Seus mais de quarenta verões pareciam não fazer diferença. Terry batia com uma vontade imiscuída de fúria. Um sentimento que crescia dentro dele por conta de todas as vidas inocentes perdidas em tão pouco tempo.
ㅤㅤㅤ Em determinado momento ele sentiu alguém tocando suas costas. Já estava virando uma cotovelada quando foi advertido sobre quem estava ali. Era Mary.
ㅤㅤㅤ — Sou eu, Bogard! Parece que o destino nos colocou frente a frente novamente num torneio e numa aventura. Você tem a opção de lutar contra mim ou lutar ao meu lado…
ㅤㅤㅤ — Get serious! Do que você está falando? — inquiriu o louro.
ㅤㅤㅤ Com as costas coladas uma contra a outra, Mary e Terry trocavam palavras. Na verdade, era a agente secreta que explanava a situação enquanto mantinham a atenção aos demônios que desordenadamente irrompiam contra eles.
ㅤㅤㅤ — A situação é mais séria do que você imagina, Bogard. Sua esposa organizou este torneio para nos proteger…
ㅤㅤㅤ — O quê? — tentou Terry, mas Mary não parava de falar enquanto fulminava seus adversários.
ㅤㅤㅤ — Pode parecer estranho, mas o objetivo dela era bater de frente sozinha contra este capetão que está aí prestes a nos ceifar a vida. Com o torneio ela teria a distração para o povo e nossa determinação em vencê-lo. Mas parece que ela não conhece o bando de Southtown, hum?
ㅤㅤㅤ — Não estou entendendo… — a surpresa fez com que ele tomasse uma porrada na cara de um demônio. Isso o fez caçar o infeliz, decepando sua cabeça com um super uppercut.
ㅤㅤㅤ — Então, Terry! — continuava Mary como se nada tivesse acontecido. — O negócio é o seguinte. Eu não estou aqui para brincadeiras. O torneio não tem ligação com desgraçado responsável por tudo o que aconteceu às duas cidades. Não estou mais a fim de aturar os joguinhos da sua mulher. Se quiser o troféu do torneio, faça bom proveito. Southtown e 2nd South precisam de ajuda de verdade.
ㅤㅤㅤ Ele conhecia aquela loura, conhecia o suficiente para saber quando a mesma estava blefando ou não. Mary não brincava em serviço, sobretudo quando o assunto tinha alta carga de responsabilidade. O Lobo já não via necessidade alguma de continuar numa competição como aquela e naquele momento não fazia ideia que aquilo iria continuar. Terry foi incisivo:
ㅤㅤㅤ — Olha, Mary! Eu espero que você tenha certeza de tudo o que está falando. Eu não vejo mesmo motivo de continuar neste circo, mas se a Sky estiver metida neste torneio… Ela vai precisar me explicar muita coisa… Agora… precisamos acabar com estes capetas aqui!
ㅤㅤㅤ Eles continuaram descendo o braço. Nos arredores ainda havia o apoio de mais três agentes que chegaram acompanhando Mary. O bagulho tava tenso, mas parecia estar dando resultado, até que a mulher de sotaque semelhante ao da esposa do vagabundo disse:
ㅤㅤㅤ — Não há mais demônios surgindo…
ㅤㅤㅤ Hotaru foi a seguinte a questionar:
ㅤㅤㅤ — Será que finalmente acabou?
ㅤㅤㅤ — Sintam essa energia maligna… — foi a vez de Terry repreender — Isso está longe de acabar!
ㅤㅤㅤ Então Keith Wayne, o famoso Rato, se dirigiu ao Lobo, incisivo.
ㅤㅤㅤ — Aí, Bogard! Cansei! Se você sobreviver a isso, mande um recado para o Yagami trevoso… A filha dele é gostosa pra caralho…
ㅤㅤㅤ Terry não levou a sério, estava com a cabeça voltada para o que realmente era importante.
ㅤㅤㅤ — O que você vai fazer, Keith?
ㅤㅤㅤ O Rato se enfureceu e partiu feito um louco pra cima dos demônios. Utilizando um de seus super ataques, fulminou uma dúzia deles e logo em seguida caiu de exaustão. Terry tentou correr em socorro, o que acabou sendo uma deixa para que ele fosse violentamente atingido. Sua visão turvou e ele caiu. Mesmo tentando levantar, não conseguiu firmeza… Era o fim…
ㅤㅤㅤ A horda de demônios, mesmo não aumentando em quantidade, continuava atazanando. Com Terry e Keith fora de ação, Mary e os outros estavam tendo que se virar para se manter, porém a fadiga falava mais alto. Uma bola de fogo surgiu em meio aos demônios, incinerando boa parte deles. Uma silhueta se formou daquela bola de fogo, com chapéu cônico e um Shakujo – cajado utilizado por monges. Seus trajes definiam-no para aqueles que o conheciam… Sokaku Mochizuki.
ㅤㅤㅤ O monge chegou para acabar com a farra dos capetinhas. Com papéis retangulares onde ideogramas japoneses estavam impressos, ele começou a selar tais demônios. Os papeizinhos sugavam aqueles bichos e o monge administrava os selos com uma velocidade impressionante. Em pouco tempo aquele combate não tinha mais sentido, Sokaku bateu a borda do cajado sobre o solo, anunciando o fim da batalha.
ㅤㅤㅤ — Percebo que o seu irmão falhou, Bogard!
ㅤㅤㅤ Terry se deixou rolar pelo solo, ficando de barriga pra cima. A chuva cessava e ele encarava o céu cheio de questionamentos. Queria entender como que sua esposa poderia continuar comandando um torneio se estava num leito de um abrigo lá em Southtown. Então um tique lhe rememorou que ela não era uma humana, que nem tudo que poderia ser aplicado aos humanos valia pra ela.
ㅤㅤㅤ — Shit!
ㅤㅤㅤ Coçou a cabeça e sentiu o galo, arquejou o tronco e encarou Mary. Logo pediu a Hotaru que cuidasse de Keith. O monge se aproximou de Terry, sendo sucinto nas palavras.
ㅤㅤㅤ — Eu não vou além daqui e se você quiser tomar partido desta guerra, esteja preparado para não voltar.
ㅤㅤㅤ — Monge! Eu nasci preparado para não voltar! — disse Terry sem pestanejar.
ㅤㅤㅤ Durante o dia seguinte de descanso, Terry negociou com Mary a incursão em direção a energia sinistra…




The Legendary
Running Wild
Steel Wölf



avatar
☆Ɽµηηιηɡ Ⱳιɭδ☆Steel Wölf☆
Fundador
Fundador

Lugar de Origem : Southtown, Flórida
Mensagens : 11
Data de inscrição : 10/08/2017
Idade : 46

http://2ndsouth.forumeiros.com

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: LoU 2016: Luta Final - Blue Mary X Terry Bogard

Mensagem  Conteúdo patrocinado


Conteúdo patrocinado


Voltar ao Topo Ir em baixo

Ver o tópico anterior Ver o tópico seguinte Voltar ao Topo

- Tópicos similares

 
Permissão deste fórum:
Você não pode responder aos tópicos neste fórum